Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

diariobombeiro


Quinta-feira, 26.01.12

Mulher que estava na frente de prédios pode ter perdido três parentes

Uma catadora de papel que estava na frente e um dos prédios que desabaram na noite desta quarta-feira disse aoSRZD.com que três pessoas da família que estavam com ela minutos antes dos prédios caírem estão desaparecidas. O Corpo de bombeiros continua com o trabalho de resgate, que fica mais difícil encontrar algum sobrevivente com o tempo. Já são três mortos e pelo menos 15 desaparecidos. O sobrinho teve o corpo reconhedido na tarde desta quinta-feira.

De acordo com ela, um sobrinho e duas primas estavam com ela catando papel. Ela disse que começou a ouvir estalos e em seguida, ao olhar para cima, viu um dos prédios desabar. Ela contou que só deu tempo de sair correndo. À partir de então, ela não conseguiu ter mais contato com os três. 

O secretário estadual de Defesa Civil, Sérgio Simões, informou que os bombeiros encontram dificuldades em remoção de uma enorme quantidade de escombros e lidar com parentes das vítimas. "O Corpo de Bombeiros sempre trabalha com a expectativa de encontrar sobreviventes. Entretanto, na medida em que o tempo passa e que as ações se desenvolvem, os espaços vão diminuindo e a possibilidade de sobrevida, infelizmente, diminui", disse. 

O subsecretário municipal de Defesa Civil, Marcio Motta, informou ao SRZD.com que a perícia que está sendo feita por técnicos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli, irá mostrar as causas que levaram ao desabamento dos três prédios localizados no centro do Rio. Ele informou ainda que três edifícios próximos aos local da tragédia foram interditados preventivamente, mas que eles não correm o risco de também desabar.

Fonte: SRZD.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 19:20

Quinta-feira, 26.01.12

Bombeiros ainda buscam 19 vítimas no Centro do Rio

Equipes do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil municipal ainda buscam 19 vítimas do desabamento que atingiu três prédios no Centro do Rio. As informações são do prefeito Eduardo Paes, que está na manhã desta quinta-feira (26) no local do acidente. O número de procurados, no entanto, pode variar, já que ainda há dados oficiais dos desaparecidos.

Cinco feridos foram resgatados na quarta-feira (25), sendo que quatro permanecem internados. Nenhuma outra vítima foi encontrada durante a madrugada. As buscas continuam nesta manhã. 

“Nós montamos desde ontem uma estrutura para receber parentes e familiares que tivessem pessoas ali dentro. As pessoas estão na Câmara de Vereadores neste momento, desde essa madrugada, e no momento nós temos cerca de 19 pessoas desaparecidas [...] Também não surgiu ao longo dessa madrugada, não se encontrou nenhuma vítima fatal, e o bombeiro está trabalhando intensamente para encontrar as pessoas.”

Hipótese é dano estrutural
Segundo ele, a principal hipótese é que o desabamento tenha sido causado por um dano estrutural, já que não há informações sobre explosão. Mas as causas do acidente ainda não estão claras.

“Os especialistas é que vão ter que falar, a perícia analisar, mas a informação que eu tenho é que praticamente descartam a possibilidade de explosão de gás. Eles vão ter que apurar [...]. Aí pode ter tido um problema estrutural, mas aí ainda é muita especulação. Você descarta a possibilidade de explosão de gás. A maior possibilidade é a de um problema estrutural no prédio. Não havia, isso já foi checado pela Defesa Civil, não havia nenhuma denúncia à Defesa Civil Municipal de abalo de estruturas, de rachadura do prédio, não havia. O pessoal já checou lá. Portanto a especulação mais forte, mas é especulação mesmo, é disso, de um problema estrutural no prédio.”, ressaltou Paes.

No início da madrugada, parentes reunidos na porta do hospital procuravam desaparecidos que estariam nos prédios. Mais tarde, representantes de quinze famílias foram levados a uma sala de apoio na Câmara de Vereadores do Rio, onde aguardavam notícias dos trabalhos de resgate.

De acordo com a empresária Zilene Bernardino, que trabalha no local, o prédio de dez andares fica na Rua Manuel de Carvalho, esquina com a Avenida Treze de Maio, e o outro na própria Treze de Maio.

Feridos
Cinco dos feridos receberam atendimento no Hospital Souza Aguiar: quatro homens (dois de 37 anos, um de 31 e um de 50 anos) e uma mulher de 28 anos. O quadro mais grave é o da mulher, que teve lesão no couro cabeludo e passou por cirurgia.

Um zelador e um operário, que estava dentro de um elevador, estão entre os feridos retirados com vida dos escombros. As informações são do coronel Sérgio Simões, secretário estadual de Defesa Civil. Ainda de acordo com o coronel, as buscas se concentram em dois pontos sinalizados com a ajuda de cães farejadores.

Uma moradora de um prédio vizinho relatou que três andares de um dos prédios passavam por reforma. "De repente, ouvimos um grande barulho e começou a voar tudo", contou a argentina Devora Galavardo, que mora há seis meses em frente ao prédio que desabou.

A Light desligou a luz nos arredores para evitar incêndios. Vinte viaturas da polícia foram acionadas para isolar a área.

Em nota oficial, o Theatro Municipal informou que o desabamento do edifício da Avenida Treze de Maio não causou prejuízos ao prédio, nem danos estruturais. A única parte atingida por escombros foi a bilheteria, no prédio anexo. Nenhum funcionário foi atingido. As informações são do G1.

Fonte: Noticias

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 19:05

Quinta-feira, 26.01.12

Bombeiro que salvou vítima em elevador é veterano em resgates

Com 35 anos de idade e 16 de profissão, o coronel do Corpo de Bombeiros do Rio Luciano Sarmento não imaginava que, nos últimos dois anos, fosse trabalhar tanto no resgate de pessoas soterradas. Veterano de resgates nos deslizamentos de Angra dos Reis e do Morro do Bumba em 2010, da região serrana, no ano passado, e de Sapucaia, neste ano, o trabalho do bombeiro foi solicitado mais uma vez na noite desta quarta-feira.

Ao ser convocado para ajudar na ocorrência do desabamento de três edifícios na avenida 13 de Maio, no centro da Rio, Sarmento e sua equipe conseguiram ser bem-sucedidos no primeiro resgate. Por volta das 22h, os bombeiros receberam a informação de que havia um sobrevivente preso dentro de um dos elevadores: o operário de uma obra que era realizada no prédio, uma das cinco vítimas resgatadas com vida.

"Ele estava no 9º andar, em uma obra, e saía do elevador. Quando percebeu que começou a cair tudo, ele voltou para dentro do elevador. O elevador despencou até o térreo. Ele saiu ileso, sem nenhum arranhão", disse Sarmento.

Às 12h30 desta quinta-feira, o coronel ainda trabalhava nos resgates, sem descansar. "A gente vem para salvar vidas. Quando você não consegue alcançar esse objetivo, é muito difícil. Mas uma vida que a gente salva, como foi o caso de ontem, já vale por toda a operação", acrescentou, lembrando, com orgulho, que fazia parte da equipe que resgatou com vida o menino Nicolas, de seis meses, retirado de escombros das chuvas de janeiro de 2011 em Nova Friburgo, na região serrana do Rio.

Fonte: Terra

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 19:04

Quinta-feira, 26.01.12

Bombeiros buscam 20 desaparecidos em desabamentos de prédios

Bombeiros resgataram, na manhã desta quinta-feira, o corpo de uma vítima nos escombros dos três prédios que desabaram por volta de 20h30m da noite de quarta, na Cinelândia, no Centro do Rio. Segundo os bombeiros, há uma lista de 20 possíveis desaparecidos. Cinco pessoas foram hospitalizadas no Souza Aguiar, e uma já teve alta. As primeiras informações da Defesa Civil davam conta de, pelo menos, 11 mortos, o que não se confirmou durante a madrugada. Há muita poeira e fumaça nos arredores do local do desabamento, onde agentes trabalham com máscaras. Além da poeira levantada pelo trabalho dos bombeiros, que estão vasculhando a área em busca de vítimas, há pequenos focos de fogo em meio aos destroços. As chamas são provenientes do contato do gás das tubulações que romperam com material inflamável.

O tenente-coronel Julio César Mafia, oficial de dia do Quartel de Operações com Cães da Polícia Militar, afirma que acredita que há possibilidade de encontrar sobreviventes nos escombros dos três prédios. Segundo ele, as vítimas podem conseguir sobreviver em bolsões de ar que se formam nesse tipo de acidente. Ele comparou o caso ao desabamento das torres do World Trade Center, após terem sido atingidas por aviões em um ataque terrorista em 11 de sembro em 2001. O oficial lembrou que foram encontrados sobreviventes dias depois do colapso dos edifício. "Estamos trabalhando com a hipótese de 20 pessoas desaparecidas. É um trabalho ligeiro, porém feito com cautela porque acreditamos que é possível encontrar pessoas nesses bolsões de ar. Estamos trabalhando com muito cuidado para evitar nos desmoronamentos".

No Centro de Apoio, improvisado pela prefeitura na Câmara dos Vereadores do Rio, pelo menos 15 famílias de pessoas que poderiam estar dentro dos prédios na hora do desabamento vararam a madrugada em busca de alguma notícia, segundo informações da Globonews. O analista de sistemas Fernando Amaro conta que pelo menos cinco pessoas de sua empresa que participavam de um treinamento estariam dentro de um dos três prédios. Já o advogado Guilherme Sousa, de 28 anos, aguarda, na Câmara, notícias sobre sua irmã, Sabrina Prado, programadora, que havia acabado o expediente no prédio 44 da Avenida Treze de Maio e se encaminhou para um curso, no mesmo edifício, na hora do desabamento. "No Centro de apoio (montado pela prefeitura na Alerj), há cerca de 80 pessoas esperando informações sobre seus familiares", afirmou Guilherme.

Ele soube da tragédia através do telefone do noivo da irmã e, desde a noite de quarta-feira, procura alguma informação sobre o paradeiro de Sabrina. Michele Barbosa, de 33 anos, é outra das várias pessoas atendidas por médicos e psicólogos na Alerj, na madrugada desta quinta-feira, enquanto aguarda notícias de seu marido. O analista de sistema, Marcelo Rebelo, 47 anos, fazia um curso de especialização em Tecnologia da Informação em um dos prédios que desabaram. Michele começou a se preocupar quando ligou para o marido, depois do horário da aula e ele não atendeu. Marcelo, casado com Michele há 11 anos, com quem tem uma filha, estava na penúltima aula antes da conclusão do curso. "Ele sempre chegava por volta de 21h10m. Eram 21h e ele não atendia minhas ligações e não chegou em casa. Não sei qual era o prédio do curso, só sei que era um desses", contou.

Até a manhã de quinta-feira, cinco pessoas feridas foram resgatadas e deram entrada no Hospital Souza Aguiar, entre elas, Marcelo Antonio Moreira, zelador de um dos prédios e Francisco Rodrigo da Costa, operário que trabalhava dentro de outro prédio que caiu e foi resgatado no elevador. Ambos tiveram ferimentos leves. Uma mulher, porém, Cristiane do Carmo, de 28 anos, está com traumatismo craniano e com uma fratura no braço. Ela passou por uma cirurgia na unidade.

Causas - O prefeito Eduardo Paes, que logo após a tragédia esteve no local, não acredita que os desabamentos tenham sido provocados por escapamento de gás. De acordo com ele, a maior possibilidade de ter sido um problema estrutural no prédio de 20 andares, que estava em obras. Porém, ele ressalta que ainda é cedo para uma informação precisa sobre as causas da tragédia: "Há fiscalização permanente da prefeitura dos prédios, e é preciso saber exatamente o que aconteceu porque existem prédios muito mais antigos e que não têm problemas", disse Paes.

O engenheiro civil, especialista em estrutura do Crea, Antonio Eulálio Pedro vistoriou na manhã desta quinta-feira o local do desmoronamento. Ele acredita que pode haver três hipóteses para a queda do prédio de 20 andares, o que teria desabado primeiramente. O corte de uma viga, com ruptura brusca, a corrosão e infiltração da laje da cobertura ou o entulho de obra como sacos de cimentos, latas de tintas, que provocou o excesso de peso e o rompimento da estrutura. O Crea vai tentar localizar o engenheiro responsável pela obra. Ele descarta a possibilidade de vazamento de gás, e diz que o prédio caiu de cima para baixo. "Se o acidente fosse às 15h, morreriam mais de 500 pessoas, fora os pedestres", lamentou.

Ele acredita que a hipótese de retirada da viga é a mais provável. Ele descarta o risco de o desmoronamento ter atingido o Teatro Municipal.

Fonte: Agência O Globo

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 19:00

Quinta-feira, 26.01.12

Três edifícios desabam no Rio de Janeiro

As equipas de socorro já retiraram dos escombros três mortos e 6 feridos. Prosseguem as operações em busca dos desaparecidos

Três edifícios colapsaram ontem, ao princípio da noite, no centro financeiro do Rio de Janeiro, junto ao Teatro Municipal, um local bastante movimentado. Inicialmente a Defesa Civil Estadual avançou com um número de 11 vítimas, entre mortos e feridos, mas as últimas informações atualizam o balanço para três mortos e seis feridos.

A derrocada ocorreu cerca das 21h00 locais (23h00 em Lisboa) na Rua Treze de Maio, tendo sido atingidos um prédio de 20 andares e outro de 10 andares, especificou à "Globo" o prefeito Eduardo Paes. "Aparentemente não foi uma explosão, o desabamento aconteceu por um dano estrutural no prédio", disse o responsável.

Curiosos, amigos e familares cercam o local à procura de informações, mas as autoridades brasileiras criaram um perímetro de segurança por temerem uma eventual derrocada em prédios adjacentes.

As equipas de socorro recorrem à ajuda de cães farejadores para ajudar nas operações.

Várias viaturas ficaram destruídas e a circulação automóvel está interdita na Avenida Almirante Barroso, entre a Rua Senador Dantas e Avenida Rio Branco, em ambos os sentidos. Quatro estações de metro foram encerradas: Presidente Vargas, Uruguaiana, Carioca e Cinelândia.

A eletricidade foi desligada nos arredores para evitar incêndios.

As causas do desmoronamento ainda não são conhecidas.

Fonte: Expresso

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 16:12

Quinta-feira, 26.01.12

Edifício de 20 andares colapsou no Rio de Janeiro (Em actualização)

Um prédio de 18 andares desabou no centro do Rio de Janeiro, após uma violenta explosão. Há 11 mortos confirmados, avança o site da Globo.

O edifício colapsou na Rua 13 de Maio, numa zona muito movimentada da cidade brasileira.

Há vítimas sob os escombros, entre mortos e feridos, escreve a Globo News que cita fontes da Protecção Civil.

Quatro corporações de bombeiros participam nas operações de resgate com 60 homens e cães de apoio.

No local já estão bastantes pessoas, incluindo familiares e amigos de pessoas que trabalham no bairro e que poderão estar entre as vítimas, explica a Globo.

A zona está também sem electricidade para evitar incêndios e há muitos carros soterrados.

Fonte: Sol 00:38


Explosão de gás terá provocado o desabamento parcial de um edifício de 18 andares situado na avenida Treze de Maio.

A Defesa Civil disse ao site de 'O Globo' terem sido encontrados pelo menos dois corpos no local. Os media brasileiros davam ainda conta da haver pelo menos uma pessoa presa nos escombros. Segundo testemunhas, háum forte cheiro a gás no local.

Segundo o site do diário brasileiro, duas pessoas deram entrada no Hospital Souza Aguiar. Um idoso, que aparentava estar bem de saúde, e uma mulher com um traumatismo craniano.

Fonte: DN 00:20

Pensei que era uma bomba', diz testemunha que viu prédio cair no Rio
Edifício desabou na Rua Treze de Maio, no Centro
Outra testemunha afirmou que havia gente dentro do prédio.

O gerente de um restaurante próximo ao local onde um prédio desabou na noite desta quarta-feira (25), na Rua Treze de Maio, no Centro do Rio de Janeiro , Demésio da Silva, afirmou à Globo News que viu o momento em que o edifício caiu.

“A gente estava na frente, quando ouvimos o barulho, um estouro e o prédio desceu inclinado. Quando vi pensei que era uma bomba, vi aquela fumaça preta, todo mundo correndo, uma coisa horrível. Parecia as Torres Gêmeas”, contou ele, por telefone, à Globo News.

Segundo ele, no local do prédio ficava uma agência bancária. De acordo com informações do Centro de Operações da prefeitura, a Avenida Almirante Barroso, entre a Rua Senador Dantas e Avenida Rio Branco, está interditada em ambos os sentidos.

O administrador de empresas Neimar Filiton, de 32 anos, estava na academia de ginástica quando ouviu um estrondo. "Quando saio, passo pela Rua Treze de Maio para pegar o metrô. Quando passava em frente ao prédio, ouvi um barulho forte. Começou então a cair concreto e parte do prédio veio abaixo. Estou todo empoeirado e sujo. Foi o maior desespero. Muita gente correndo", contou ele

Ele contou que as pessoas que passavam pela rua ficaram imprensadas. "A gente não teve tempo de correr. Teve gente atingida pelos pedaços de concreto, mas não tive coragem de chegar perto, porque podia cair mais coisa", disse.

Segundo Neimar, havia gente dentro do prédio. "Tinha gente dentro do prédio, porque as pessoas que tinham acabado de sair queriam voltar para tentar ajudar a quem ficou”, disse ele.

Um estudante que estava assistindo aula na cobertura do prédio ao lado do edifício que desabou contou que cerca de 30 pessoas ficaram sem conseguir sair de onde ele estava, porque a estrutura ao lado do desabamento também foi atingida.

“Eu estava assistindo aula na pós-graduação, com umas 30 pessoas, com colegas de classes, e começou a tremer, apagou a luz, quando vimos a estrutura do prédio cair”, contou ele, por telefone, à Globo News.

Ele contou que uma equipe do Corpo de Bombeiros precisou resgatar os estudantes.

Segundo a Defesa Civil, há informações sobre vítimas, mas ainda não há confirmação do número de pessoas atingidas.

Equipes da prefeitura, do Quartel Central do Corpo de Bombeiros, da Guarda Municipal e da Polícia Militar estão no local, que está isolado.

Muitos carros estacionados próximos ao prédio ficaram cobertos de escombros. Imagens mostram muita poeira no local.

Fonte: Globo 00:17
Prédio de 18 andares desaba no centro do Rio de Janeiro

Um prédio de 18 andares desabou no centro do Rio de Janeiro, perto do Teatro Municipal, na noite desta quarta-feira. Segundo as autoridades locais, a queda do prédio deixou 11 vítimas, entre mortos e feridos. Veja o vídeo.

Segundo a Câmara Municipal do Rio, terá havido uma grande explosão no prédio. As informações iniciais eram de que o edifício havia desabado parcialmente, mas, segundo o portal G1, o prédio desabou completamente.

Dois corpos já foram encontrados no local, noticiou o jornal "O Globo". Pelo menos 20 pessoas estavam no edifício no momento da explosão.

Equipas da prefeitura (Câmara Municipal), dos bombeiros, da Guarda Municipal e da Polícia Militar estão no local, que está isolado, noticiou o portal "G1".

Trinta pessoas foram retiradas de um prédio ao lado do que explodiu. De acordo com a Rede Record, ainda há pessoas a tentar ser resgatadas.

Segundo testemunhas, há forte cheiro de gás no local. O prefeito da cidade, Eduardo Paes, chegou agora no local para acompanhar os trabalhos de resgate.

Fonte: JN 00:22
Prédio desaba no Centro do Rio
Segundo a Defesa Civil, a tragédia deixou 11 vítimas, entre mortos e feridos.
Prédio fica na Rua Treze de Maio, perto do Teatro Municipal.

Um prédio desabou na noite desta quarta-feira (25), na Rua Treze de Maio, no Centro do Rio de Janeiro . Inicialmente, os relatos apontavam que o prédio havia desabado em parte. Mas o repórter Rafael Coimbra, da Globo News, que está no local, informa que o prédio desabou completamente. A Defesa Civil Estadual informou que a queda do prédio de sete andares deixou 11 vítimas, entre mortos e feridos.

Amigos e parentes cercam o local em busca de informações sobre pessoas que trabalham na região, enquanto a Guarda Municipal impede a aproximação, pelo temor de dano estrutural às construções vizinhas. 

De acordo com informações do Centro de Operações da prefeitura, a Avenida Almirante Barroso, entre a Rua Senador Dantas e Avenida Rio Branco, está interditada em ambos os sentidos. No twitter do Centro de Operações, a prefeitura faz um alerta: "Atenção motoristas! Evite a região da Cinelândia, Carioca e Rio Branco para não atrapalhar os trabalhos dos Bombeiros e Defesa Civil".

Segundo o Metrô Rio, as estações da Presidente Vargas, Cinelândia, Uruguaiana e Carioca foram fechadas. A Linha 1 só seguirá de Ipanema até a Glória e a Linha 2, até a Central.

Fonte: Globo 00:13

Um edifício com cerca de 20 andares colapsou hoje, ao princípio da noite, no centro do Rio de Janeiro, e já há notícia de feridos, informou a estação televisiva Globo.

Fonte: Expresso 00:07



Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 00:07


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31




Tags

mais tags