Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

diariobombeiro



Sábado, 23.04.11

Coimbra: Bombeiros Sapadores vão ter Plano para Vistoria a Bocas-de-Incêndio

O comandante dos Bombeiros Sapadores de Coimbra está a criar um plano para vistoria e verificação das bocas-de-incêndio existentes na cidade, confirmando que, dada à perigosidade existente na Baixa, esta será uma das zonas prioritárias na actuação dos bombeiros.
O documento está a ser preparado para ser apresentado «o mais breve possível», embora Avelino Dantas tenha esclarecido que a responsabilidade na manutenção e na operacionalidade daqueles mecanismos cabe à Águas de Coimbra.
A criação deste plano foi confirmada ao Diário de Coimbra depois de o comandante ter sido confrontado com as críticas do presidente da Junta de Freguesia de S. Bartolomeu, Carlos Clemente, de que houve, no incêndio que deflagrou a 14 de Abril, nas águas furtadas de um prédio na Avenida Visconde da Luz, pelo menos uma boca-de-incêndio que não funcionou quando accionada pelos bombeiros. Confrontados os bombeiros, confirma-se que foram, afinal, três os mecanismos que falharam no combate àquele incêndio.
«Existir um incêndio na Rua Visconde da Luz e os bombeiros pretenderem ligar uma mangueira na boca-de-incêndio e esta estar inactiva é, de facto, de bradar aos céus», criticou Carlos Clemente, considerando a situação «intolerável» e chamando a atenção para o facto de tal poder vir a acontecer «num incêndio de grandes proporções».
Avelino Dantas garantiu ao Diário de Coimbra não ter tido conhecimento deste percalço, no entanto, confirmou que as bocas-de-incêndio são importantes no combate a incêndios, nomeadamente em zonas como a da Baixa, «onde os carros pesados, muitas vezes, não chegam».
Apesar de ser a Águas de Coimbra a responsável pela manutenção das bocas-de-
-incêndio, o comandante admite que «como utentes finais e principais interessados que elas funcionem» é costume serem eles a fazer a vistoria àqueles mecanismos, alertando, depois, a empresa municipal de cada vez que algum não esteja operacional.
Verificação “planeada e estruturada”
«A verificação que temos feito é de uma forma menos planeada, estruturada. O que pretendo é sistematizá-la, dividir a cidade por zonas e passarmos a verificar cada boca-de-incêndio», confirmou o comandante.
Embora ainda não tenha ideia de quando é que este plano poderá estar pronto, garantiu que pretende colocá-lo em prática «o mais rápido possível». Uma garantia que vem, portanto, responder à reivindicação do presidente da Junta de Freguesia de S. Bartolomeu que exige uma inspecção a todas as bocas-de-incêndio da Baixa, referindo-se também à necessidade de colocar «em bom estado de funcionamento» as caixas de primeira intervenção que estão espalhadas por aquela zona da cidade.
Muitas destas estruturas, colocadas especialmente para permitir aos moradores terem meios de combate a incêndios antes da chegada dos bombeiros, estão vandalizadas e as que ainda têm mangueiras são apenas utilizadas para os moradores lavarem as ruas, de acordo com o que conseguimos apurar. Contactado pelo Diário de Coimbra, o responsável pela Protecção Civil Municipal esclareceu que «os armários irão ser todos retirados».
«A ideia era implementá-los para que pudessem permitir aos moradores uma primeira intervenção mas nunca foram utilizados e foram imediatamente vandalizados», admitiu Serra Constantino. Também Avelino Dantas confirmou a pouca utilidade daquele material, nomeadamente para os bombeiros, considerando «muito mais importante a operacionalidade das bocas-de-incêndio».
 
Comandante garante quepopulação pode estar descansada
O incêndio de 14 de Abril ocorreu precisamente horas depois (e no mesmo dia) de um simulacro de combate às chamas no Beco das Canivetas, na Baixa de Coimbra, cujos resultados positivos levaram João Paulo Barbosa de Melo a afirmar que «a população que vive na Baixa pode estar descansada» quanto à possibilidade de um incêndio. Carlos Clemente criticou estas declarações: «queria ver se o mesmo acontecesse numa rua mais estreita e se falhassem as bocas-de-incêndio», afirmou.
O comandante dos Bombeiros Sapadores de Coimbra corrobora da opinião do presidente da Câmara Municipal de Coimbra. «Acho, sinceramente, que a população pode ficar descansada», afirmou Avelino Dantas, garantindo haver «meios suficientes» em caso de incêndio na Baixa da cidade embora admita: «convém, efectivamente, que as bocas-de-incêndio funcionem».

por Ana Margalho
fonte: DC

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 11:29



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2011

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930




Tags

mais tags