Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

diariobombeiro



Domingo, 19.08.12

Ventos ciclónicos e ondas de 16 metros deixam Açores em “alerta máximo”

Furacão Gordon chega ao raiar da manhã, a soprar a 150 quilómetros/hora, com toda a protecção civil das ilhas São Miguel e Santa Maria mobilizada para o pior cenário. Eventuais estragos nos portos são a principal preocupação.

Ondas que podem atingir os 16 metros de altura e ventos a rondar os 150 quilómetros horários são esperados durante a madrugada desta segunda-feira nas ilhas de São Miguel e Santa Maria, nos Açores, onde a aproximação do furacão Gordon colocou em alerta máximo todos os serviços de protecção civil.

Neste domingo manhã, os habitantes daquelas duas ilhas do Grupo Central do arquipélago aguardavam serenos e descontraídos a chegada de uma das mais violentas intempéries que já assolaram a região.

De acordo com a agência Lusa, a praia das Milícias, em Ponta Delgada, encontrava-se repleta de banhistas. À tarde, no entanto, já ninguém procurava a água do mar, repartindo-se as atenções dos populares, que então enchiam as esplanadas, pela leitura dos jornais que falavam da aproximação do Gordon, furacão que então se deslocava a uma velocidade média de 35 quilómetros/hora e que no sábado se tornara mais ameaçador, passando para a categoria II na escala de Saffir-Simpson, a segunda mais grave numa escala de cinco pontos.

Na freguesia de São Roque, interpelada pela Lusa, Cristina Ponte lembrou que a construção da avenida marginal teve o condão de proteger a orla marítima e assim minimizar os estragos provocados pelas investidas do mar. O transporte marítimo e os eventuais estragos nas estruturas portuárias constituem, de resto, a maior preocupação da maior parte dos açorianos, que há três dias já haviam visto a empresa Atlânticoline, que faz a ligação entre as ilhas, anunciar o cancelamento de todas as viagens até amanhã.

As previsões meteorológicas do final da tarde deste domingo apontavam igualmente para que o furacão perdesse força no momento que chegasse às ilhas açorianas (esperava-se que também o Pico e a Terceira viessem a ser afectados). A hipótese de o território continental ser atingido estava colocada fora de questão.

Em São Miguel, todas as comunidades piscatórias optaram por retirar os barcos da água logo às primeiras horas do dia. Reforçaram-se portas e janelas, retiraram-se todos os objectos susceptíveis de serem arrastados pela ventania anunciada e limparam-se sistemas de drenagem. Nos campos, foram recolhidas as alfaias e consolidadas as cercas dos animais.

O Serviço Regional de Protecção Civil e Bombeiros dos Açores foi repetindo, ao longo de todo o dia, os pedidos para que toda a população se mantivesse calma e seguisse as recomendações de segurança entretanto divulgadas por todos os meios de comunicação social das ilhas.

A SATA, a principal companhia aérea a operar nos Açores, tinha prevista a realização de 40 voos para o arquipélago durante todo o domingo. Nenhuma destas viagens havia ainda sido cancelada a meio da tarde. 

Antes já o presidente do Governo Regional, Carlos César, declarara à imprensa, no final de uma reunião realizada em Ponta Delgada, que haviam sido colocados em alerta máximo todos os serviços nas ilhas de São Miguel e Santa Maria. Tal significava que na primeira das ilhas estavam de prevenção 320 bombeiros e 374 funcionários de diversos públicos da administração regional, enquanto em Santa Maria estavam requisitados 40 bombeiros e mais 60 funcionários públicos. Por precaução, foram ainda mobilizados 60 técnicos de acção social.

O director regional da Ciência, Tecnologia e Comunicações, Paulo Menezes, foi entretanto nomeado coordenador de todos os serviços oficiais em Santa Maria. Nas declarações que fez à Lusa, este responsável afirmou, a meio da tarde, que já haviam sido sinalizadas as zonas tidas como mais críticas.

Depois de reunir com diversos responsáveis de secretarias regionais e com a Associação de Pescadores, com os comandantes da PSP e Polícia Marítima e com o presidente da Câmara de Vila do Porto, Paulo Menezes anunciou a colocação de mais de 20 equipamentos de salvamento em zonas estratégicas da ilha, sobretudo na Maia e em São Lourenço. Salientando que “a segurança das pessoas é a principal preocupação”, Menezes indicou ainda que a PSP tinha ordens para mandar retirar todas as viaturas dos locais de mais difícil acesso. O aeroporto local mantinha-se aberto durante a tarde.Há seis anos tudo não passou de um susto

O Gordon não é um desconhecido para os açorianos. Em 2006 passou pelo arquipélago, então na forma de tempestade tropical (a mesma forma que tinha até sábado e, provavelmente, a mesma que irá assumir ainda durante a manhã de hoje), e ainda deitou abaixo diversas árvores e arrancou telhas de muitas casas. Mas os piores cenários então avançados pelas autoridades não se confirmaram.

Este furacão deve o nome aos especialistas do centro de furacões de Miami, nos EUA. É ali que todos estes fenómenos atmosféricos são baptizados e foi ali que se estabeleceu que a mesma tempestade só pode readquirir um nome já utilizado decorridos seis anos entre as mesmas. Furacões que causem mortes, como por exemplo o Katrina, são definitivamente abolidos da lista.

Fonte: Público

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 21:05


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Agosto 2012

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031




Tags

mais tags