Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

diariobombeiro



Terça-feira, 23.08.11

Crónica: «CUMPRE O TEU DEVER»


Jornal "FOGO E PAZ" ( já extinto - propriedade dos BV Trafaria)

Por RIBEIRO NUNES (anos 70)
...

Há bastantes anos, talves uns 30, um velho e saudoso Amigo, Carlos Queirós, que viveu em Oeiras, contou-me um episódio, que vou tentar reproduzir, o mais fielmente:

Numa modesta casa que se encontra nas estreitas e sinuosas ruas da histórica Vila de Oeiras, morava uma mulher do povo, designação esta que se dá a quem na craveira da vida, nunca atinge o grau que lhe permita viver numa relativa mediania.

Chamavam-lhe a «Senhora Maria José». Mas, dentro do seu somenos valor social possoia um brazão que, sem escudos ou armas, é certo, tinha contudo a nobreza própria das almas sãs e dos caracteres íntegros e honestos.

Maria José era viúva. Seu marido morrera tuberculoso, e ela passara a viver só com seu filho António, um rapaz inteligente e estudioso, para quem iam todos os desvelos que só uma mãe sabe prodigalizar, António correspondia com atenção e respeito de um bom filho.

Um dia, António por ter sido aumentado na féria, disse-lhe apertando as mãos: «Minha boa mãe, ouça o que lhe vou dizer: Eu, muito desejava ser o que o meu pai foi, e por isso pedia-lhe licença, para assentar praça como voluntario, na mesma corporação, assegurando-lhe que saberei cumprir o meu dever».

- Olha meu filho, eu não te quero contrariar, tanto que evocas o que teu pai foi, mas quantas vezes ele saio de noite, debaixo de chuvas umas sobre outras, talvez tivesse agravado o seu mal...

- Não, minha boa mãe. Quando um bombeiro sai de casa para salvar outra vida, a Providência está sempre a seu lado!

António entrou para a corporação, onde passou a ser muito estimado pelos seus camaradas e superiores, não só devido às exelentes qualidades de caráter como, também, pelo aprumo de porte e firme acatamento das normas disciplinares.

Pela madrugada de uma noite de grande invernia, trovejando forte e chovendo copiosamente, o sino da terra começou a tocar as badaladas secas e apavorantes, avisadoras de haver fogo na povoação.

Maria José, acordou sobressaltada e, apercebendo-se do que havia, ficou perplexa.

- O que fazer, Santo Deus! Se o vou acordar, ele ai vai, como um louco debaixo desta chuva, ficando sei lá por quanto tempo com as roupas encharcadas. Depois, vem-lhe um resfriamento; e foi com estas que o pai morreu...

Mas as badaladas seguiam-sa apressadas, como a fazer sentir aos que as ouviam o risco em que podiam estar vidas e haveres.

- Não, custe o que custar, não quero que ele deixe de cumprir o seu dever.

E chamava: António, António, meu filho, não ouves? Está a tocar a fogo...

Já há muito que toca?

- Creio que não; mas estáva tão pegada no sono que não sei bem...

Então, o António, numa rapidez que só as boas vontades conseguem, equipou-se e, dando um beijo na testa da mãe, corre célere, para o local do sinistro.

A mãe foi para a janela. Parecia que a chuva estava apostada em cair cada vez mais.

- Meu Deus, como chove! E não quis levar, ao menos uma camisola mais forte, para lhe resguardar o peito. Sempre a mesma teimosia da gente moça...

Maria José, chorando, ajoelha em frente de um quadro da Virgem e reza.

- «Senhora, eu bem sei que todos nós devemos mesmo com o maior sacrificio salvar da morte quem estiver em perigo, Eu sei que o Teu Filho sofreu para nos salvar e que, perante o teu sofrimento, deve recolher as minhas lágrimas. Mas, Senhora, eu tambem sou mãe, por isso te rogo, do fundo da minha alma, a Tua Graça para que a vida do meu filho não corra risco.

Para a pobre mãe, os momentos paraciam gigantes. Com os cotovelos aferados no parapeito da janela, assim esteve horas esquecidas, cativa do seu sofrimento moral. A certa altura, pôde avistar, na escuridão da velha rua, um vulto que caminhava apressado.

- Oh! em que estado tu vens meu filho!...

- Que quer minha boa mãe, a «farda de gala» do bombeiro é esta...

- Mas o que é isto? Tens a fardeta queimada no peito?

- Isto que está vendo são as melhores medalhas do bombeiro; esmaltadas com o fogo da salvação!

- Mas tu salvas-te alguém?

- Não, minha mãe, apenas ajudei os meus camaradas. E que bravos eles foram! Todos, numa ânsia de amor ao próximo, enfrentavam altaneiramente o perigo, desprezando as chamas que lhes lambiam as carnes.

Nisto, ouvem-se passos na escada. Batem à porta. Maria José, foi abri-la. Era o comandante com alguns bombeiros.

- Viemos aqui - disse o comandante - embora em horas impróprias, por querermos ser dos primeiros a abraçar-te meu rapaz. Foste um herói! Honrras-te a tua farda, dando glória à nossa Corporação. Bem hajas!...

- Mas Sr. Comandante, meu filho disse-me há pouco, que só tinha ajudado os seus camaradas e... por isso não vejo motivo para tanta manifestação de apreço...

- É porque o seu filho é um bravo sem jactância, bastando-lhe a satisfação de cumprir o seu dever...

- Conta-me então meu filho o que se passou.

- Foi tudo tão simples que bastam poucas palavras para lhe contar: Quando cheguei ao local do fogo, já lá estavam alguns camaradas. O fogo tinha tomado a porta de serventia do prédio. O povo dizia, em alta gritaria, que num quarto ao fundo devia estar um rapaz que ali dormia. Nessa amálgama de vozes perdidas no espaço eu pude distinguir a de uma mulher que de joelhos, suplicava aflita: Salvem o meu querido filho!...

afigurou-se a imagem de meu pai, a quem sempre ouvi estas palavras sagradas para os bombeiros: «Cumpre o teu dever». Voltei-me, então para o meu Comandante e disse-lhe: «Ou se salvam duas vidas ou se perderão juntas»! E lá fui, guiado pelas palavras de meu pai. Depois... não sei o que se passou, de nada me lembronem vale a pena recordar. Mas, se foi muito, pela vida que salvei, isso me basta para a consolidação da minha alma.

- Adeus rapaz. A Corporação saberá cumprir o seu dever, galardoando a tua abnegação.

- Não meu Comandante: o que fiz qualquer outro camarada o faria, no meu lugar. Coube-me a vez. E isso foi para mim, melhor galardão que podia receber. Porém, meu Comandante, se me querem ser agradáveis, pedia-lhe, então que no lema da nossa Associação fique gravado, em letras de ouro:

«CUMPRE O TEU DEVER»


Fonte: Jornal "FOGO E PAZ" ( já extinto - propriedade dos BV Trafaria)
Autorizado pelo sub-chefe Mário de Carvalho dos BV Trafaria

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 18:46


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  





Tags

mais tags