Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

diariobombeiro



Sexta-feira, 09.11.12

Ministro da Administração Interna elogia capacidade do dispositivo de combate a incêndios

O ministro da Administração Interna destacou hoje a capacidade de resposta do dispositivo de combate aos incêndios florestais, num ano "muito difícil" do ponto de vista do clima, tendo reconhecido que houve problemas.

"Do ponto de vista climatérico, foi uma situação muito difícil, a capacidade de resposta do dispositivo foi positivo, sem esquecer que, aqui e ali, houve problemas e a identificação desses problemas são muito importantes para que não voltem a ocorrer", disse aos jornalistas Miguel Macedo.

Na cerimónia de avaliação do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais (DECIF), o ministro realçou a capacidade de resposta dos meios aéreos e terrestres. Segundo Miguel Macedo, os meios aéreos levaram, em média, no mês de agosto, menos de sete minutos a chegar ao terreno, e os meios terrestres chegaram em 16 minutos.

O ministro referiu também que 87 por cento dos incêndios em Portugal estão extintos nos primeiros 45 minutos da sua ocorrência, o que demonstra "bem a dimensão da eficácia deste dispositivo".

"O que correu mal foi, aqui ou ali, algumas situações que, na avaliação da própria proteção civil, ou do dispositivo no terreno, se verificou que as coisas podiam ter andado de outra de forma e se poderia ter respondido de outra forma", sublinhou, sem apontar os problemas. Adiantou, porém, que um dos aspetos que "menos correu bem" foi no Algarve, com o incêndio que deflagrou em "condições muito difíceis, atípicas e quase únicas".

Também presente na cerimónia, a ministra da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território, Assunção Cristas, destacou a aposta que tem de ser feita na prevenção dos incêndios florestais, tendo enumerado algumas das iniciativas legislativas.

Segundo a avaliação do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais (DECIF), que hoje foi feita em Lisboa, a área ardida aumentou 55 por cento, e as ocorrências de fogo diminuíram cinco por cento este ano, em relação a 2011.

Os dados referem que, entre 01 de janeiro e 15 de outubro, se registaram 20.969 ocorrências de fogo, menos 1.234 do que no mesmo período do ano passado, quando deflagraram 22.203. Já a área ardida aumentou 55 por cento, tendo os 20.969 incêndios consumido 105.016 hectares de floresta, enquanto em 2011 arderam 67.594 hectares.

O maior fogo de 2012 teve início a 18 de julho, no distrito de Faro, e afetou 21.437 hectares de espaços florestais, cerca de 20 por cento da área florestal ardida este ano.


Lusa/SIC

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 21:04



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2012

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930




Tags

mais tags