Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

diariobombeiro



Terça-feira, 04.01.11

Amadora: Chamas Matam Homem em Anexo

Cadáver só foi retirado do local nove horas após o incêndio e a PJ investiga as causas do mesmo
Há cerca de quatro décadas que Francisco, com cerca de 75 anos, deambulava diariamente pelas ruas da Amadora, recolhendo apenas à noite a um pequeno anexo na rua João XXI, na freguesia da Venteira, para dormir. E foi nesse mesmo local, com apenas cinco metros quadrados de área, que ‘Tio Chico’, como era carinhosamente conhecido, morreu ontem de manhã, depois de um incêndio, cujas causas ainda estão por apurar, ter deflagrado.

O alerta chegou à central dos bombeiros da Amadora pouco passava das 08h30. Quando os bombeiros chegaram ao local nada puderam fazer além de apagar as chamas. O idoso já estava cadáver, parcialmente carbonizado, num cenário de pobreza.
"Esta é o resultado de mais uma situação desumana, em que um homem, de idade já avançada, acabou por morrer num anexo minúsculo, repleto de lixo", disse ao CM o comandante Mário Conde, dos bombeiros da Amadora. "Era um homem que costumava andar por aí. Por vezes mendigava, outras vizinhos e comerciantes davam-lhe roupa e comida. A Segurança Social já o tinha tentado tirar dali, mas as pessoas que vivem assim têm uma lei muito própria".
A PJ foi chamada ao local e o corpo só foi retirado cerca de nove horas depois do fogo.

in: CM


Morreu queimado em anexo rodeado de lixo

Amadora Vela ou cigarro podem ter causado o fogo. Idoso vivia de esmolas
Uma vela ou um cigarro poderão ter estado na origem das chamas

Um homem que há cerca de 50 anos vivia numa espécie de anexo num dos quintais de um prédio situado na Venteira, Amadora, morreu ontem, parcialmente carbonizado, devido a um incêndio.
Poucos eram os moradores daquela zona da Venteira que não conheciam o "ti Chico". Há cerca de 50 anos que vivia de forma miserável numa construção abarracada que teria pouco mais do que quatro metros quadrados.
Ontem, por razões que não estão ainda totalmente explicadas - a Polícia Judiciária esteve no local a recolher indícios -, a vizinhança viu fumo a sair do telhado da habitação improvisada de Francisco e chamou os bombeiros. Já nada havia a fazer. O idoso morreu, vítima do fumo e das chamas, entre garrafas, velas e dezenas de sacos cheios de trapos.
De acordo com Mário Conde, comandante dos Bombeiros da Amadora, o alerta foi dado cerca das 8.30 horas. Francisco, que teria entre 70 e 80 anos, foi já encontrado cadáver naquele pequeno espaço insalubre, desprovido de água e electricidade. A porta estava trancada e os bombeiros tiveram de arrombá-la para entrar.
António Silva, de 68 anos, foi morar para a Venteira com 18 anos e já se recorda de ver o "ti Chico" a vaguear pelas ruas, quase sempre carregando sacos com os seus poucos haveres. Foi pedreiro, mas deixou de trabalhar cedo e sobrevivia com uma reforma que não chegava aos 200 euros. "Era boa pessoa, não se metia com ninguém. Nós, os vizinhos, ajudávamos como podíamos, dando dinheiro, roupa e comida. Por vezes, dava-lhe também um pouco de apoio moral", contou.
Aquele morador recorda que Chico andava sempre limpo e que estava sempre pronto a ajudar os outros, limpando as ervas dos quintais. Sempre que alguém morria na zona, Chico aparecia na igreja para velar o corpo.
Ultimamente, porém, já com a a idade a pesar, e o corpo mais curvado, e sem a mesma saúde mental, desmazelou-se. Os vizinhos ofereciam roupa, mas ele continuava usando trapos. Passou a beber de forma desregrada.
O anexo que servia de casa a "ti Chico" tem acessos pela Rua João XXI e pertence aos quintais de um prédio que tem entrada pela Rua 7 de Junho. Os moradores nunca tiveram coragem para expulsar o sem-abrigo. Pelo contrário. Devido à sua recusa em aceitar o apoio da Segurança Social e dos irmãos - que vivem no Alentejo e que tentaram levá-lo com eles - construíram-lhe um anexo com tijolo, para que não tivesse frio.
"Fizemos a casinha. Até arranjámos uma pequena cama para colocar lá dentro, mas ele, ao princípio, ia dormir para o vão das escadas. Depois, lá se habituou. No entanto, sempre foi alertado para não fazer fogueiras lá dentro", explicou Cidália Dores, uma das moradoras do prédio onde Chico tinha o anexo.
O idoso recebia comida de um grupo de voluntários. Um destes voluntários revelou que o "ti Chico" era muito reservado e não deixava ninguém aproximar-se ou entrar no anexo. Durante o dia, vagueava pela rua, sentava-se num banco junto à igreja matriz, mas recolhia-se muito cedo. "Geralmente, deitava-se por volta das 17 horas. Muitas vezes, já nem nos abria a porta e tínhamos de deixar o saco de comida na rua.
O incêndio de ontem aconteceu a poucos metros da igreja matriz da Amadora, que no sábado também foi atingida por um pequeno fogo com origem num curto-circuito de um televisor.

in: JN

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 09:57


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2011

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031




Tags

mais tags