Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

diariobombeiro



Terça-feira, 08.01.13

Portalegre: Bombeiros criticam nova política de transporte de doentes

O presidente da Federação de Bombeiros do Distrito de Portalegre criticou hoje a nova política de transporte de doentes de centros de saúde, acusando a Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano (ULSNA) de tratamento "desumano" dos pacientes.

Em declarações à agência Lusa, Francisco Louro afirmou hoje que "não há sentido humano da parte de quem administra, há simplesmente sentido económico", situação que o levou a acusar a ULSNA e o Estado de tratarem as pessoas de uma forma "cruel e desumana".

Em causa está um despacho da ULSNA, a que a Lusa teve hoje acesso e enviado às corporações de bombeiros, o qual indica que desde 01 de janeiro foram "alterados os procedimentos" para o transporte de doentes relativo às transferências dos centros de saúde para os hospitais de Portalegre e Elvas.

"Assim, e no sentido de facilitar todo o processo, solicita-se [aos bombeiros] que, após a chegada ao serviço de Urgência do hospital, não aguardem pela alta do doente", estabelece o despacho, datado de 28 de dezembro.

"Isto é para evitar o pagamento das horas de espera. O que vai acontecer é que, quando os doentes estiverem despachados, ou vão de táxi ou pedem uma ambulância para os ir buscar e pagam o transporte", criticou Francisco Louro.

O presidente da Federação de Bombeiros do Distrito de Portalegre disse temer, por isso, que a medida venha a agravar também a situação económica das corporações, uma vez que a dívida por parte dos particulares aos bombeiros vai aumentar.

"O volume de dívidas por parte dos particulares aos bombeiros vai aumentar. As pessoas não têm dinheiro para pagar a ambulância que vão chamar para os levar a casa", vaticinou.

Considerando "vergonhoso" este processo, Francisco Louro referiu ainda esperar que as macas que pertencem às corporações de bombeiros não fiquem retidas nos hospitais, dado que, logo após a entrada dos doentes nas urgências, os bombeiros terão que abandonar esse espaço.

"Habitualmente as macas ficam retidas no hospital, o que é vergonhoso. O Hospital de Portalegre não tem capacidade de resposta e agora, com esta medida, vamos ver no futuro como é que isso vai acontecer", sublinhou.

Manifestando o receio de que os doentes fiquem "abandonados" logo após a entrada no hospital, Francisco Louro acusou a tutela de tratar os pacientes como "coisas" e como "objetos".

"Muitas vezes, os motoristas e os socorristas fazem de acompanhante e acompanham os doentes dentro dos hospitais, para que não fiquem abandonados. Ajudam-nos, mas, com esta medida, o ministro da Saúde quer tratar as pessoas como coisas, como objetos", disse.

Nesse sentido, o responsável aconselhou o Governo a cortar "noutras coisas", apelando a que não se faça "sofrer mais as pessoas".

A Lusa contactou a administração da ULSNA para obter uma reação a este caso, mas a mesma não quis prestar declarações.
 
 
por Sofia Fonseca / DN

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 18:33



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2013

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031




Tags

mais tags