Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

diariobombeiro



Terça-feira, 19.07.11

PAGINA ANPC informa:

NÃO HÁ OCORRÊNCIAS SIGNIFICATIVAS ÁS 23H50........ Então os incêndios que estão neste momento em curso??????

http://www.prociv.pt/cnos/Pages/HistoricodeOcorrencias.aspx


Fonte: ANPC/CNOS

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 23:54

Terça-feira, 19.07.11

PAGINA ANPC informa:

NÃO HÁ OCORRÊNCIAS SIGNIFICATIVAS ÁS 23H50........ Então os incêndios que estão neste momento em curso??????

http://www.prociv.pt/cnos/Pages/HistoricodeOcorrencias.aspx


Fonte: ANPC/CNOS

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 23:54

Terça-feira, 19.07.11

Mais de 150 elementos de forças de socorro combatem fogo em Idanha-a-Nova

Mais de 150 elementos das forças de socorro,  apoiados por 46 veículos e quatro meios aéreos, estão a combater um incêndio  numa zona de eucaliptal que deflagrou às 13:41 em Oledo, no concelho de  Idanha-a-Nova. 
Segundo informação disponibilizada no site da Proteção Civil, no combate às chamas estão 113 bombeiros, oito elementos da Força Especial de Bombeiros, 20 sapadores florestais e 16 elementos de forças de socorro não especificadas.

Para o local, onde está o comandante operacional distrital de Castelo Branco e um elemento do Gabinete Técnico Florestal, foi mobilizada também uma máquina de rasto do serviço municipal de Proteção Civil de Idanha-a --Nova.
Às 17:50 o incêndio tinha uma frente ativa e o combate ao fogo estava a "evoluir favoravelmente".

Também no distrito de Castelo Branco, em Palvarinho (concelho de Castelo Branco), deflagrou às 15:22, numa zona de pinhal e mato, um incêndio que está a mobilizar 94 elementos das forças de socorro, 24 viaturas e quatro helicópteros.

O fogo tinha, às 17:39, duas frentes ativas.


Fonte: Lusa / SICNoticias

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 22:53

Terça-feira, 19.07.11

Mais de 150 elementos de forças de socorro combatem fogo em Idanha-a-Nova

Mais de 150 elementos das forças de socorro,  apoiados por 46 veículos e quatro meios aéreos, estão a combater um incêndio  numa zona de eucaliptal que deflagrou às 13:41 em Oledo, no concelho de  Idanha-a-Nova. 
Segundo informação disponibilizada no site da Proteção Civil, no combate às chamas estão 113 bombeiros, oito elementos da Força Especial de Bombeiros, 20 sapadores florestais e 16 elementos de forças de socorro não especificadas.

Para o local, onde está o comandante operacional distrital de Castelo Branco e um elemento do Gabinete Técnico Florestal, foi mobilizada também uma máquina de rasto do serviço municipal de Proteção Civil de Idanha-a --Nova.
Às 17:50 o incêndio tinha uma frente ativa e o combate ao fogo estava a "evoluir favoravelmente".

Também no distrito de Castelo Branco, em Palvarinho (concelho de Castelo Branco), deflagrou às 15:22, numa zona de pinhal e mato, um incêndio que está a mobilizar 94 elementos das forças de socorro, 24 viaturas e quatro helicópteros.

O fogo tinha, às 17:39, duas frentes ativas.


Fonte: Lusa / SICNoticias

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 22:53

Terça-feira, 19.07.11

Fogos em Castelo Branco estão dominados

POSIT ÁS 21h00
Um incêndio numa zona de eucaliptal em Oledo, no concelho de Idanha-a-Nova, e outro em Palvarinho, no concelho de Castelo Branco, foram dominados ao princípio da noite. Mais de 380 elementos das forças de socorro estão no local.  Vento está a dificultar trabalho dos bombeiros

Segundo informação disponibilizada no site da Protecção Civil, desde cerca das 20.40 horas que os dois incêndios no distrito de Castelo Branco estão dominados, seguindo-se as operações de rescaldo.

O incêndio em Oledo, Idanha-a-Nova, que deflagrou às 13.41 horas, mobiliza 135 bombeiros, 7 elementos da Força Especial de Bombeiros, 8 sapadores florestais e 14 elementos de forças de socorro não especificadas, num total de 164 elementos, apoiados por 47 veículos.

Também no distrito de Castelo Branco, em Palvarinho, estão 135 bombeiros, 4 elementos da Força Especial de Bombeiros, 64 sapadores florestais e 17 elementos de forças de socorro não especificadas, num total de 220 elementos, apoiados por 63 veículos.


[Error: Irreparable invalid markup ('<img [...] m$>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<div style="text-align: justify;">POSIT ÁS 21h00</div><div style="text-align: justify;">Um incêndio numa zona de eucaliptal em Oledo, no concelho de Idanha-a-Nova, e outro em Palvarinho, no concelho de Castelo Branco, foram dominados ao princípio da noite. Mais de 380 elementos das forças de socorro estão no local.  Vento está a dificultar trabalho dos bombeiros </div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Segundo informação disponibilizada no site da Protecção Civil, desde cerca das 20.40 horas que os dois incêndios no distrito de Castelo Branco estão dominados, seguindo-se as operações de rescaldo.</div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">O incêndio em Oledo, Idanha-a-Nova, que deflagrou às 13.41 horas, mobiliza 135 bombeiros, 7 elementos da Força Especial de Bombeiros, 8 sapadores florestais e 14 elementos de forças de socorro não especificadas, num total de 164 elementos, apoiados por 47 veículos.</div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Também no distrito de Castelo Branco, em Palvarinho, estão 135 bombeiros, 4 elementos da Força Especial de Bombeiros, 64 sapadores florestais e 17 elementos de forças de socorro não especificadas, num total de 220 elementos, apoiados por 63 veículos.</div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div class="separator" style="clear: both; text-align: center;"><a href="https://1.bp.blogspot.com/-wWeLn6tFUVg/TiX50DEWFeI/AAAAAAAAAEI/02di2ARRI8s/s1600/ng1583866.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;" rel="noopener"><img border="0" m$="true" src="https://1.bp.blogspot.com/-wWeLn6tFUVg/TiX50DEWFeI/AAAAAAAAAEI/02di2ARRI8s/s1600/ng1583866.jpg" /></a></div><span style="font-size: xx-small;">Fonte: JN </span>

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 22:42

Terça-feira, 19.07.11

Fogos em Castelo Branco estão dominados

POSIT ÁS 21h00
Um incêndio numa zona de eucaliptal em Oledo, no concelho de Idanha-a-Nova, e outro em Palvarinho, no concelho de Castelo Branco, foram dominados ao princípio da noite. Mais de 380 elementos das forças de socorro estão no local.  Vento está a dificultar trabalho dos bombeiros

Segundo informação disponibilizada no site da Protecção Civil, desde cerca das 20.40 horas que os dois incêndios no distrito de Castelo Branco estão dominados, seguindo-se as operações de rescaldo.

O incêndio em Oledo, Idanha-a-Nova, que deflagrou às 13.41 horas, mobiliza 135 bombeiros, 7 elementos da Força Especial de Bombeiros, 8 sapadores florestais e 14 elementos de forças de socorro não especificadas, num total de 164 elementos, apoiados por 47 veículos.

Também no distrito de Castelo Branco, em Palvarinho, estão 135 bombeiros, 4 elementos da Força Especial de Bombeiros, 64 sapadores florestais e 17 elementos de forças de socorro não especificadas, num total de 220 elementos, apoiados por 63 veículos.


[Error: Irreparable invalid markup ('<img [...] m$>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<div style="text-align: justify;">POSIT ÁS 21h00</div><div style="text-align: justify;">Um incêndio numa zona de eucaliptal em Oledo, no concelho de Idanha-a-Nova, e outro em Palvarinho, no concelho de Castelo Branco, foram dominados ao princípio da noite. Mais de 380 elementos das forças de socorro estão no local.  Vento está a dificultar trabalho dos bombeiros </div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Segundo informação disponibilizada no site da Protecção Civil, desde cerca das 20.40 horas que os dois incêndios no distrito de Castelo Branco estão dominados, seguindo-se as operações de rescaldo.</div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">O incêndio em Oledo, Idanha-a-Nova, que deflagrou às 13.41 horas, mobiliza 135 bombeiros, 7 elementos da Força Especial de Bombeiros, 8 sapadores florestais e 14 elementos de forças de socorro não especificadas, num total de 164 elementos, apoiados por 47 veículos.</div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Também no distrito de Castelo Branco, em Palvarinho, estão 135 bombeiros, 4 elementos da Força Especial de Bombeiros, 64 sapadores florestais e 17 elementos de forças de socorro não especificadas, num total de 220 elementos, apoiados por 63 veículos.</div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div class="separator" style="clear: both; text-align: center;"><a href="https://1.bp.blogspot.com/-wWeLn6tFUVg/TiX50DEWFeI/AAAAAAAAAEI/02di2ARRI8s/s1600/ng1583866.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;" rel="noopener"><img border="0" m$="true" src="https://1.bp.blogspot.com/-wWeLn6tFUVg/TiX50DEWFeI/AAAAAAAAAEI/02di2ARRI8s/s1600/ng1583866.jpg" /></a></div><span style="font-size: xx-small;">Fonte: JN </span>

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 22:42

Terça-feira, 19.07.11

Incêndios em Castelo Branco - POSIT






Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 22:17

Terça-feira, 19.07.11

Bombeiros Vão Receber Dez Milhões de Euros Para Reforço de Meios

É considerada a maior operação de apoio dos fundos comunitários à protecção civil na Região do Norte, de acordo com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, no valor de dez milhões de euros. Os contratos para reforço de meios nas corporações de Bombeiros do Porto são assinados esta quarta-feira.

O financiamento comunitário de dez milhões de euros, atribuído pelo Programa Operacional Regional do Norte, ON.2 – O Novo Norte, visa “reforçar os meios da protecção civil, o combate a incêndios urbanos, florestais e industriais, e a prevenção dos riscos naturais, ambientais e tecnológicos”, informa o comunicado da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N).

O pacote de financiamento, que representa 44 novos investimentos, é, segundo a CCDR-N, a maior operação de apoio dos fundos comunitários à protecção civil na Região do Norte. Nove dos dez milhões de euros são destinados à “aquisição, requalificação ou apetrechamento de veículos de combate a incêndios”, enquanto o milhão de euros que resta “financia equipamentos de neve que contemplam lâminas especiais para limpa-neves e espalhadores de sal” das corporações dos concelhos em que os Invernos são mais rigorosos.

Os contratos do apoio comunitário vão ser assinados esta quarta-feira, pelas 16h00, na sede da CCDR-N, com a presença do Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Administração Interna, Juvenal Silva Peneda, do Presidente da CCDR-N, Carlos Lage, e da Comissão Directiva do ON.2.

fonte: Público

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 19:39

Terça-feira, 19.07.11

Bombeiros Vão Receber Dez Milhões de Euros Para Reforço de Meios

É considerada a maior operação de apoio dos fundos comunitários à protecção civil na Região do Norte, de acordo com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, no valor de dez milhões de euros. Os contratos para reforço de meios nas corporações de Bombeiros do Porto são assinados esta quarta-feira.

O financiamento comunitário de dez milhões de euros, atribuído pelo Programa Operacional Regional do Norte, ON.2 – O Novo Norte, visa “reforçar os meios da protecção civil, o combate a incêndios urbanos, florestais e industriais, e a prevenção dos riscos naturais, ambientais e tecnológicos”, informa o comunicado da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N).

O pacote de financiamento, que representa 44 novos investimentos, é, segundo a CCDR-N, a maior operação de apoio dos fundos comunitários à protecção civil na Região do Norte. Nove dos dez milhões de euros são destinados à “aquisição, requalificação ou apetrechamento de veículos de combate a incêndios”, enquanto o milhão de euros que resta “financia equipamentos de neve que contemplam lâminas especiais para limpa-neves e espalhadores de sal” das corporações dos concelhos em que os Invernos são mais rigorosos.

Os contratos do apoio comunitário vão ser assinados esta quarta-feira, pelas 16h00, na sede da CCDR-N, com a presença do Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Administração Interna, Juvenal Silva Peneda, do Presidente da CCDR-N, Carlos Lage, e da Comissão Directiva do ON.2.

fonte: Público

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 19:39

Terça-feira, 19.07.11

A Proteção Civil e os Bombeiros

A Protecção Civil é a actividade desenvolvida pelo Estado, na qual devem participar os cidadãos, com a finalidade de prevenir riscos colectivos inerentes a situações de acidente grave, catástrofe ou calamidade, de origem natural ou tecnológica, de atenuar os seus efeitos e socorrer as pessoas em perigo.

Temos assistido – com especial incidência, desde 2004 até ao presente – , à transferência sucessiva de competências para os Municípios na área da Protecção Civil, sem que sejam disponibilizados, pelo Poder Central, os indispensáveis meios financeiros, humanos, técnicos e/ou equipamentos.

Assim, os Municípios, para defesa da segurança dos cidadãos, do património e do ambiente, são obrigados sistematicamente a canalizar meios afectos ao exercício de outras competências para a realização de investimentos e de despesas de funcionamento dos Serviços Municipais de Protecção Civil – estima-se que, nesta matéria, os Municípios tenham afectado cerca de 52 milhões de euros em 2010.

No entanto, a realidade demonstra que o ‘braço armado’ das acções de Protecção Civil – ao nível dos meios humanos, técnicos e equipamento – são, fundamentalmente, os 413 corpos de bombeiros voluntários existentes no país.

Desta forma, cumpre evidenciar que o financiamento dos corpos de bombeiros voluntários é assegurado na sua esmagadora maioria pelos Municípios – que têm substituído o Estado nesta incumbência – através da concessão de apoios anuais a estas estruturas, bem como na comparticipação das despesas das Equipas de Intervenção Permanente – estima-se que cerca de 56 milhões de euros em 2010 – sem os quais as mesmas não teriam capacidade para garantir os meios de prevenção e socorro das populações.

Importa, também, salientar o facto de 27 Municípios serem detentores de corpos de bombeiros sapadores e municipais, cujos encargos de funcionamento – meios humanos, técnicos, equipamentos e infra-estruturas – são suportados integralmente pelas Autarquias – estimam-se em cerca de 130 milhões de euros em 2010, os custos de funcionamento – , na medida em que não usufruem de qualquer mecanismo de financiamento proporcionado pelo Estado.

Nunca é demais relembrar que a segurança – de pessoas, do património e do ambiente – é uma Função de Soberania do Estado, pelo que as actividades ligadas a esta função, onde naturalmente está a Protecção Civil, devem ser prosseguidas pela Administração Central, a quem caberá apetrechar as estruturas de Protecção Civil dos meios financeiros, humanos técnicos e equipamentos fundamentais à boa execução desta Função de Soberania.

Com efeito, o Estado assegura o funcionamento de sectores vitais para a sociedade, como a saúde, a justiça e a segurança pública, etc. Então porquê menosprezar um sector igualmente vital para a segurança dos cidadãos como é o caso da Protecção Civil?

fonte: asBeiras

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 13:41

Terça-feira, 19.07.11

A Proteção Civil e os Bombeiros

A Protecção Civil é a actividade desenvolvida pelo Estado, na qual devem participar os cidadãos, com a finalidade de prevenir riscos colectivos inerentes a situações de acidente grave, catástrofe ou calamidade, de origem natural ou tecnológica, de atenuar os seus efeitos e socorrer as pessoas em perigo.

Temos assistido – com especial incidência, desde 2004 até ao presente – , à transferência sucessiva de competências para os Municípios na área da Protecção Civil, sem que sejam disponibilizados, pelo Poder Central, os indispensáveis meios financeiros, humanos, técnicos e/ou equipamentos.

Assim, os Municípios, para defesa da segurança dos cidadãos, do património e do ambiente, são obrigados sistematicamente a canalizar meios afectos ao exercício de outras competências para a realização de investimentos e de despesas de funcionamento dos Serviços Municipais de Protecção Civil – estima-se que, nesta matéria, os Municípios tenham afectado cerca de 52 milhões de euros em 2010.

No entanto, a realidade demonstra que o ‘braço armado’ das acções de Protecção Civil – ao nível dos meios humanos, técnicos e equipamento – são, fundamentalmente, os 413 corpos de bombeiros voluntários existentes no país.

Desta forma, cumpre evidenciar que o financiamento dos corpos de bombeiros voluntários é assegurado na sua esmagadora maioria pelos Municípios – que têm substituído o Estado nesta incumbência – através da concessão de apoios anuais a estas estruturas, bem como na comparticipação das despesas das Equipas de Intervenção Permanente – estima-se que cerca de 56 milhões de euros em 2010 – sem os quais as mesmas não teriam capacidade para garantir os meios de prevenção e socorro das populações.

Importa, também, salientar o facto de 27 Municípios serem detentores de corpos de bombeiros sapadores e municipais, cujos encargos de funcionamento – meios humanos, técnicos, equipamentos e infra-estruturas – são suportados integralmente pelas Autarquias – estimam-se em cerca de 130 milhões de euros em 2010, os custos de funcionamento – , na medida em que não usufruem de qualquer mecanismo de financiamento proporcionado pelo Estado.

Nunca é demais relembrar que a segurança – de pessoas, do património e do ambiente – é uma Função de Soberania do Estado, pelo que as actividades ligadas a esta função, onde naturalmente está a Protecção Civil, devem ser prosseguidas pela Administração Central, a quem caberá apetrechar as estruturas de Protecção Civil dos meios financeiros, humanos técnicos e equipamentos fundamentais à boa execução desta Função de Soberania.

Com efeito, o Estado assegura o funcionamento de sectores vitais para a sociedade, como a saúde, a justiça e a segurança pública, etc. Então porquê menosprezar um sector igualmente vital para a segurança dos cidadãos como é o caso da Protecção Civil?

fonte: asBeiras

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 13:41

Terça-feira, 19.07.11

Juramento de Novos Bombeiros e Condecorações no Dia do Município

No dia em que Penacova assinalou o Dia do Município (este domingo), a Associação Humanitária dos Bombeiros começou o dia em festa, com a promoção de 14 novos elementos.

Foi logo pela manhã, que a Associação de Bombeiros do concelho de Penacova se engalanou para as cerimónias que assinalaram o Dia do Município.
Em frente á Câmara Municipal, os elementos do Corpo Activo e a sua Fanfarra alinharam-se, numa formatura brilhante, para a cerimónia que teve inicio com a recepção às Entidades, com a fanfarra a executar a marcha de Continência aquando da recepção ao Sr. Presidente da Câmara Municipal.

Seguiu-se o hastear da Bandeira, com execução do Hino Nacional pelas Filarmónicas de S. Pedro de Alva e Boa Vontade Lorvanense, a deposição de uma coroa de flores no Busto de António José de Almeida, a homenagem aos Bombeiros dos quadros falecidos nos últimos anos e o juramento de 14 Novos Bombeiros.

Depois foi o desfile, um magnífico desfile apeado e motorizado, com continência às Entidades presentes. Foi muito bonito ver uma formatura composta por 120 Elementos do Corpo de Bombeiros e Fanfarra, machados a brilhar ao sol nos ombros dos Soldados da Paz, devidamente alinhados e aprumados, ao som dos bombos e clarins, com uma dignidade que impressionava e que honra a Associação, o Concelho e os Bombeiros de Portugal.

Já no auditório do Centro Cultural, com casa cheia, durante a sessão solene foram condecorados diversos Bombeiros pelo seu comportamento e assiduidade ao longo dos anos, com a medalha de dedicação e a passagem ao Quadro de Honra do Bombeiro Valdemar Cruz, que em 1984, sofreu um acidente quando se deslocava para um incêndio.

Por último, foram agraciados com o Crachá de Ouro da LBP, o Adjunto de Comando Artur Dias, a título póstumo, e o Bombeiro de 1.ª Classe Vítor Craveiro pelos seus 35 anos de serviço, passando também ao quadro de Honra, com a categoria de Subchefe, a título honorifico.

Foi um dia carregado de significado, e de simbolismo, com a participação de todo o Corpo de Bombeiros e a colaboração de muitos antigos Bombeiros e familiares, que devidamente orientados pelo Comandante “Joca” do Quadro de Honra, organizaram o desfile motorizado, permitindo que todos os veículos desfilassem perante a assistência que se concentrou para assistir às cerimónias.
No final, e na falta de "Pia Baptismal" os novos Bombeiros foram baptizados com o "canhão" do velhinho mas muito operacional VTTF 02, o nosso "Picapau Amarelo"



fonte: http://bombeiros-penacova.blogspot.com/

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 00:41

Terça-feira, 19.07.11

Juramento de Novos Bombeiros e Condecorações no Dia do Município

No dia em que Penacova assinalou o Dia do Município (este domingo), a Associação Humanitária dos Bombeiros começou o dia em festa, com a promoção de 14 novos elementos.

Foi logo pela manhã, que a Associação de Bombeiros do concelho de Penacova se engalanou para as cerimónias que assinalaram o Dia do Município.
Em frente á Câmara Municipal, os elementos do Corpo Activo e a sua Fanfarra alinharam-se, numa formatura brilhante, para a cerimónia que teve inicio com a recepção às Entidades, com a fanfarra a executar a marcha de Continência aquando da recepção ao Sr. Presidente da Câmara Municipal.

Seguiu-se o hastear da Bandeira, com execução do Hino Nacional pelas Filarmónicas de S. Pedro de Alva e Boa Vontade Lorvanense, a deposição de uma coroa de flores no Busto de António José de Almeida, a homenagem aos Bombeiros dos quadros falecidos nos últimos anos e o juramento de 14 Novos Bombeiros.

Depois foi o desfile, um magnífico desfile apeado e motorizado, com continência às Entidades presentes. Foi muito bonito ver uma formatura composta por 120 Elementos do Corpo de Bombeiros e Fanfarra, machados a brilhar ao sol nos ombros dos Soldados da Paz, devidamente alinhados e aprumados, ao som dos bombos e clarins, com uma dignidade que impressionava e que honra a Associação, o Concelho e os Bombeiros de Portugal.

Já no auditório do Centro Cultural, com casa cheia, durante a sessão solene foram condecorados diversos Bombeiros pelo seu comportamento e assiduidade ao longo dos anos, com a medalha de dedicação e a passagem ao Quadro de Honra do Bombeiro Valdemar Cruz, que em 1984, sofreu um acidente quando se deslocava para um incêndio.

Por último, foram agraciados com o Crachá de Ouro da LBP, o Adjunto de Comando Artur Dias, a título póstumo, e o Bombeiro de 1.ª Classe Vítor Craveiro pelos seus 35 anos de serviço, passando também ao quadro de Honra, com a categoria de Subchefe, a título honorifico.

Foi um dia carregado de significado, e de simbolismo, com a participação de todo o Corpo de Bombeiros e a colaboração de muitos antigos Bombeiros e familiares, que devidamente orientados pelo Comandante “Joca” do Quadro de Honra, organizaram o desfile motorizado, permitindo que todos os veículos desfilassem perante a assistência que se concentrou para assistir às cerimónias.
No final, e na falta de "Pia Baptismal" os novos Bombeiros foram baptizados com o "canhão" do velhinho mas muito operacional VTTF 02, o nosso "Picapau Amarelo"



fonte: http://bombeiros-penacova.blogspot.com/

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 00:41

Terça-feira, 19.07.11

Bombeiros Voluntários de Penacova: Cumplicidade da Autarquia com os Bombeiros Marca a Cerimónia

Juro como bombeiro de Portugal defender pessoas e bens até ao limite da minha própria vida”. Foi com o juramento de 14 novos elementos da corporação da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Penacova que as cerimónias do dia do município tiveram início. 

Uma festa marcada pela “cumplicidade” entre o município e a associação, que começou com o hastear da bandeira do município e a deposição de flores junto ao busto de António José de Almeida.

No Centro Cultural de Penacova foram condecorados vários bombeiros pelos anos de serviço prestado.

fonte: asBeiras


Bombeiros assumiram o protagonismo nas comemorações do dia do município e pediram mais apoio ao poder central

Logo de manhã, no Largo do Terreiro, em frente à Câmara Municipal, prestou-se homenagem aos bombeiros falecidos nos últimos anos e 14 novos soldados juraram «defender pessoas e bens até o limite da própria vida». 

O desfile apeado e motorizado dos Bombeiros Voluntários de Penacova seguiu para a Centro Cultural de Penacova e em toda a sessão solene do feriado municipal a corporação foi protagonista. Nas comemorações, este ano organizadas pela Câmara Municipal em conjunto com a Direcção da Associação Humanitária dos Bombeiros, não faltaram, por isso, elogios ao valioso trabalho dos soldados da paz, nem queixas sobre «orçamentos impossíveis de equilibrar» e sobre «a falta de apoio do poder central».
 
Paulo Dias, vice-presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Penacova, falou no «rude golpe» orçamental provocado pela nova legislação sobre transporte de doentes – uma actividade que representava 85 por cento da receita – e das maiores exigências no âmbito da formação. «Apenas vemos criadas regulamentações que emagrecem os nossos curtos orçamentos ou geram gastos», lamentou, considerando «urgente reequacionar a forma de financiamento dos bombeiros».

fonte: DC

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 00:39

Terça-feira, 19.07.11

Bombeiros Voluntários de Penacova: Cumplicidade da Autarquia com os Bombeiros Marca a Cerimónia

Juro como bombeiro de Portugal defender pessoas e bens até ao limite da minha própria vida”. Foi com o juramento de 14 novos elementos da corporação da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Penacova que as cerimónias do dia do município tiveram início. 

Uma festa marcada pela “cumplicidade” entre o município e a associação, que começou com o hastear da bandeira do município e a deposição de flores junto ao busto de António José de Almeida.

No Centro Cultural de Penacova foram condecorados vários bombeiros pelos anos de serviço prestado.

fonte: asBeiras


Bombeiros assumiram o protagonismo nas comemorações do dia do município e pediram mais apoio ao poder central

Logo de manhã, no Largo do Terreiro, em frente à Câmara Municipal, prestou-se homenagem aos bombeiros falecidos nos últimos anos e 14 novos soldados juraram «defender pessoas e bens até o limite da própria vida». 

O desfile apeado e motorizado dos Bombeiros Voluntários de Penacova seguiu para a Centro Cultural de Penacova e em toda a sessão solene do feriado municipal a corporação foi protagonista. Nas comemorações, este ano organizadas pela Câmara Municipal em conjunto com a Direcção da Associação Humanitária dos Bombeiros, não faltaram, por isso, elogios ao valioso trabalho dos soldados da paz, nem queixas sobre «orçamentos impossíveis de equilibrar» e sobre «a falta de apoio do poder central».
 
Paulo Dias, vice-presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Penacova, falou no «rude golpe» orçamental provocado pela nova legislação sobre transporte de doentes – uma actividade que representava 85 por cento da receita – e das maiores exigências no âmbito da formação. «Apenas vemos criadas regulamentações que emagrecem os nossos curtos orçamentos ou geram gastos», lamentou, considerando «urgente reequacionar a forma de financiamento dos bombeiros».

fonte: DC

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 00:39

Terça-feira, 19.07.11

Jaime Soares Candidato à Presidência da Liga Portuguesa dos Bombeiros

“Os governantes de Portugal que se cuidem, eu não vou dar tréguas”, disse Jaime Soares, presidente da Federação dos Bombeiros do Distrito de Coimbra, depois de anunciar a sua candidatura às eleições para a presidência da Liga Portuguesa dos Bombeiros, no próximo mês de Outubro.

A notícia foi dada no decorrer da sessão solene de homenagem e condecoração dos Bombeiros Voluntários de Penacova, onde Jaime Soares enalteceu o serviço, não só dos bombeiros de Penacova, mas de todo o país. “Os bombeiros estão sempre ativos para responder a qualquer necessidade da sociedade”, sublinhou.

foto: Gonçalo Manuel Martins
fonte: asBeiras

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 00:37

Terça-feira, 19.07.11

Jaime Soares Candidato à Presidência da Liga Portuguesa dos Bombeiros

“Os governantes de Portugal que se cuidem, eu não vou dar tréguas”, disse Jaime Soares, presidente da Federação dos Bombeiros do Distrito de Coimbra, depois de anunciar a sua candidatura às eleições para a presidência da Liga Portuguesa dos Bombeiros, no próximo mês de Outubro.

A notícia foi dada no decorrer da sessão solene de homenagem e condecoração dos Bombeiros Voluntários de Penacova, onde Jaime Soares enalteceu o serviço, não só dos bombeiros de Penacova, mas de todo o país. “Os bombeiros estão sempre ativos para responder a qualquer necessidade da sociedade”, sublinhou.

foto: Gonçalo Manuel Martins
fonte: asBeiras

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 00:37

Terça-feira, 19.07.11

Gondomar: Mãe da Bombeira Josefa Rejeita 100 Mil €

São mais de 100 mil euros que desde 15 de Março estão disponíveis para ser entregues aos pais de Josefa Santos, a bombeira de Lourosa morta a 10 de Agosto de 2010 num incêndio em Gondomar. A mãe da vítima recusa-se a receber o dinheiro por não confiar no presidente daquela corporação.

Em causa, segundo Glória Vendas, está o facto de o presidente dos bombeiros, Joaquim Cardoso, ter afixado no quartel, no passado dia 10, a carta da companhia de seguros com o valor exacto (101 250 euros) a pagar aos pais da bombeira. Isto depois de ter sido noticiado que a família ainda aguardava pela indemnização.

"Estou indignada com a pressa do senhor presidente em querer que a companhia pague, mas pior é ele querer vir comigo e com o pai da Josefa ao notário para assinar os documentos. Se calhar espera que lhe dê algum", afirma ao CM Glória Vendas.

A carta da companhia de seguros Lusitânia foi dirigida à direcção dos bombeiros para que mediasse o processo entre o pai e a mãe de Josefa, que não se entendem. Assim que a carta com a ordem de pagamento chegou, os pais da bombeira foram avisados pessoalmente de que o dinheiro estava disponível. A direcção assumiu a responsabilidade de também ir ao notário e de dividir equitativamente o dinheiro entre os progenitores. O pai anuiu, mas a mãe da jovem nunca deu uma resposta.

"Apenas queremos que os prazos não sejam excedidos e a família seja ressarcida dos danos que sofreu", diz o presidente.


Fonte: Correio da Manhã

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 00:27

Terça-feira, 19.07.11

Gondomar: Mãe da Bombeira Josefa Rejeita 100 Mil €

São mais de 100 mil euros que desde 15 de Março estão disponíveis para ser entregues aos pais de Josefa Santos, a bombeira de Lourosa morta a 10 de Agosto de 2010 num incêndio em Gondomar. A mãe da vítima recusa-se a receber o dinheiro por não confiar no presidente daquela corporação.

Em causa, segundo Glória Vendas, está o facto de o presidente dos bombeiros, Joaquim Cardoso, ter afixado no quartel, no passado dia 10, a carta da companhia de seguros com o valor exacto (101 250 euros) a pagar aos pais da bombeira. Isto depois de ter sido noticiado que a família ainda aguardava pela indemnização.

"Estou indignada com a pressa do senhor presidente em querer que a companhia pague, mas pior é ele querer vir comigo e com o pai da Josefa ao notário para assinar os documentos. Se calhar espera que lhe dê algum", afirma ao CM Glória Vendas.

A carta da companhia de seguros Lusitânia foi dirigida à direcção dos bombeiros para que mediasse o processo entre o pai e a mãe de Josefa, que não se entendem. Assim que a carta com a ordem de pagamento chegou, os pais da bombeira foram avisados pessoalmente de que o dinheiro estava disponível. A direcção assumiu a responsabilidade de também ir ao notário e de dividir equitativamente o dinheiro entre os progenitores. O pai anuiu, mas a mãe da jovem nunca deu uma resposta.

"Apenas queremos que os prazos não sejam excedidos e a família seja ressarcida dos danos que sofreu", diz o presidente.


Fonte: Correio da Manhã

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 00:27


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Julho 2011

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31




Tags

mais tags