Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

diariobombeiro



Quarta-feira, 01.12.10

Cartaxo: 74º Aniversário Dos Bombeiros Municipais

Os Bombeiros Municipais do Cartaxo comemoraram no dia 27 de Novembro o seu 74.º aniversário. As comemorações envolveram uma cerimónia oficial, na qual foram homenageados e condecorados Bombeiros da corporação, a completar as cerimónias a Fanfarra desfilou pelas ruas da cidade, e teve lugar um desfile apeado do corpo de Bombeiros, um desfile de viaturas pelas ruas da cidade e um almoço de convívio.

O Presidente da Câmara, Paulo Caldas, que presidiu às comemorações, elogiou o trabalho dos elementos da corporação afirmando que “não esquecendo todos os que ao longo destas décadas contribuíram para a força crescente da corporação – dos políticos eleitos em vários mandatos, passando pela população que sempre deu o seu contributo, até às famílias de todos os bombeiros e bombeiras que os sabem apoiar – tenho de afirmar que a construção do que hoje esta corporação representa, se deve a cada um de vós – são vocês que permitem que durmamos descansados”, acrescentando que “todo e qualquer cêntimo investido nesta corporação é um cêntimo investido na segurança e no bem-estar dos nossos concidadãos. Não são cêntimos gastos, são cêntimos ganhos”.

Na passagem de mais um aniversário, o comandante dos Bombeiros Municipais do Cartaxo, Mário Silvestre, foi eleito pelos elementos da corporação como o Bombeiro do Ano – prémio instituído há quatro anos -, que recebeu com visível emoção e surpresa.

Mário Silvestre referiu que é importante “recordar os feitos e as vivências passadas, mas também é altura de perspectivar o futuro e de estabelecer objectivos que nos permitam crescer, tanto a nível interno como em termos de notoriedade para o exterior”, acrescentando que “não basta o nosso reconhecimento em conversas de ocasião, o que necessitamos é da materialização da nossa condição de pilar essencial do sistema”.

Fazendo uma analogia em relação ao corpo humano, Mário Silvestre considerou que os Bombeiros “são a coluna vertebral de todo o sistema, os órgãos vitais e os membros de um corpo que, como é óbvio, também tem outros constituintes”. E a propósito da importância da sua acção e das políticas nacionais, o comandante defendeu que “o sistema de Protecção Civil em Portugal necessita de um estudo profundo, que estabeleça definitivamente uma linha de conduta para o futuro”.

“Num país que atravessa uma crise sem precedentes, em que se fala constantemente em cortes de despesa, parece não existir a capacidade ou a vontade para, de uma vez por todas, encontrar um modelo organizativo que maximize o socorro e diminua custos”, afirmou Mário Silvestre.

Em relação à atribuição de novas viaturas a corporações de Bombeiros, Mário Silvestre lançou ainda o repto para que “se efectuem as devidas análises e se estabeleçam rácios de eficiência entre o investimento e a capacidade operacional. Que esta avaliação estabeleça um ranking e que o financiamento do Estado seja indexado ao posicionamento que os corpos de Bombeiros detêm no mesmo”.

Considerando os incêndios florestais um dos mais graves flagelos nacionais, Mário Silvestre defende que “a palavra de ordem para este e outros problemas é a prevenção, contudo, gostaria que se pensasse em encontrar o ponto de equilíbrio entre prevenção e combate, ou seja, até onde é que se deve investir em prevenção e a partir de que ponto é mais rentável e viável investir em combate”, reforçou.

Formação é uma das principais apostas dos Bombeiros do Cartaxo

A pensar na valorização dos seus recursos humanos, os Bombeiros Municipais estão envolvidos na 2.ª edição de um Curso CEF para Bombeiros – com 12 elementos, que garante a equivalência ao 9.º ano e um certificado de aptidão profissional – e, pela primeira vez, na realização de um curso de técnicos de Protecção Civil de nível 3, que conta com 24 elementos.

in: radio.cidadetomar.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 00:22

Quarta-feira, 01.12.10

Menina Chinesa Fica Presa Na Máquina De Lavar Roupa

Uma menina chinesa de três anos ficou presa na máquina de lavar roupa enquanto brincava, em Fujian, no sudoeste da China. Veja o vídeo.



A criança, durante a brincadeira, subiu para a máquina de lavar roupa, acabando por cair no seu interior e ficar presa pelo pé.

Os bombeiros da região tiveram de desmontar o electrodoméstico, cortando e removendo peças, para libertar a criança, uma operação que demorou mais de uma hora.

in: JN
video: BPS

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 00:21

Quarta-feira, 01.12.10

Menina Chinesa Fica Presa Na Máquina De Lavar Roupa

Uma menina chinesa de três anos ficou presa na máquina de lavar roupa enquanto brincava, em Fujian, no sudoeste da China. Veja o vídeo.



A criança, durante a brincadeira, subiu para a máquina de lavar roupa, acabando por cair no seu interior e ficar presa pelo pé.

Os bombeiros da região tiveram de desmontar o electrodoméstico, cortando e removendo peças, para libertar a criança, uma operação que demorou mais de uma hora.

in: JN
video: BPS

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 00:21

Quarta-feira, 01.12.10

Novo Comandante Apresentado Em Dia de Aniversário

«É a pessoa mais indicada». O presidente da direcção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Condeixa-a-Nova não tem dúvidas em afirmar que a corporação fica bem servida e que Fernando Gonçalves, que amanhã é apresentado oficialmente como comandante, é o homem certo para liderar os cerca de 100 elementos do corpo activo. «Reúne conhecimentos, já era adjunto, filho de ex-comandante e é funcionário do CDOS», ou seja, resume Daniel Costa, «nasceu nisto».

Mas o processo por que passou a corporação até encontrar novo comandante não foi fácil e nem sequer seguiu os trâmites tidos como normais numa situação do género. Ou seja, não foi a direcção que escolheu um nome, mas foram antes os próprios bombeiros interessados que se candidataram ao lugar. E a metodologia adoptada tem a ver com o facto de o próprio presidente da direcção ser, também ele, novo no cargo.

Daniel Costa preferiu, por isso, abrir um programa de candidaturas, ao qual qualquer bombeiro, desde que reunisse alguns requisitos, podia concorrer. Entre esses requisitos, era necessário um certo currículo, demonstrar que reuniam condições para liderar o comando e apresentar a equipa que o iria acompanhar. «Houve algumas reservas por parte dos bombeiros, nomeadamente relativas à legalidade do processo, mas depois rapidamente foram esclarecidos», explica Daniel Costa, que já foi vereador da Protecção Civil na Câmara de Condeixa e está há seis meses na direcção da corporação.

Terminado o prazo, deram entrada na direcção duas propostas. A de Fernando Gonçalves foi a eleita, mediante uma votação secreta. «Não tenho dúvidas de que é a mais indicada», diz Daniel Costa, que tem vindo, nestes seis meses, a adoptar outras metodologias inovadoras, e que passam, por exemplo, pelo alargamento das reuniões da direcção a todos os elementos que compõem o comando da corporação.

«Entendo que os bombeiros têm de ser um corpo só», justifica o presidente, manifestando-se «nada arrependido» com as opções tomadas. E diz mesmo que, quanto à escolha do comandante, foi um processo «completamente pacífico», tendo inclusivamente, depois disso, ter tido a preocupação de reunir com os bombeiros para lhes dar conta da situação.

Sessão com novidades

Mas o dia de amanhã será, também, marcado por «coisas novas», diz Daniel Costa. Desde logo a apresentação de algumas centenas de novos sócios, “angariados” no decorrer da campanha dos “1000 novos sócios”, em que, cada bombeiro ou funcionário da associação foi convidado a convidar pessoas para se juntarem como sócios. «Não tem sentido num concelho como o nosso, em que os bombeiros têm uma acção muito alargada, houvesse apenas três mil sócios, nem todos com as quotas em dia», justifica Daniel Costa, que aponta ainda um outro problema que se tem vindo a verificar em Condeixa, o do «divórcio» entre a população e os bombeiros. «Não há empatia», lamenta o presidente, que quer com esta campanha e com a festa de aniversário promover uma aproximação entre as duas partes.

Igualmente novas vão ser as distinções que a direcção vai efectuar amanhã. É que desta vez as homenageadas são as juntas de freguesia, a Câmara de Condeixa, o Governo Civil e um grupo de empresas que, de uma forma ou de outra, têm dado o seu contributo à corporação.
Em dia de aniversário, as novidades prosseguem, com a apresentação da página de internet da corporação, elaborada por um grupo de bombeiros, e onde se vai passar a dar conta das novidades, actividades e outras informações da corporação de Condeixa.
Em suma, Daniel Costa afirma que esta é, sobretudo, uma festa destinada a «aproximar a população» da sua corporação de bombeiros, uma associação «capaz», que vive bem servida, tanto em meios humanos como materiais.

Duas novas viaturas a custo zero

A festa dos 33 anos começa pelas 11h15, com a formatura geral com guarda de honra, a que se segue o baptismo de duas novas viaturas: um carro de comando e uma ambulância de transporte de doentes. Uma e outra acabaram, explica o presidente, por ficar a custo zero à associação. É a que a viatura de comando foi adquirida «em bom estado» em segunda mão, mas o Intermarché viria a oferecê-la. Quanto à ambulância, foi doada em testamento pelo juiz Carlos Albano, que faleceu este ano e que, por esse feito, vai receber uma medalha de homenagem, que será entregue à família.

Segue-se, ao meio-dia, a sessão solene, onde se dá posso ao novo comandante e se condecoram bombeiros, terminando a festa de aniversário com um almoço na Quinta das Abertas, em S. Fipo.

Fonte: Diário de Coimbra

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 00:19

Quarta-feira, 01.12.10

Novo Comandante Apresentado Em Dia de Aniversário

«É a pessoa mais indicada». O presidente da direcção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Condeixa-a-Nova não tem dúvidas em afirmar que a corporação fica bem servida e que Fernando Gonçalves, que amanhã é apresentado oficialmente como comandante, é o homem certo para liderar os cerca de 100 elementos do corpo activo. «Reúne conhecimentos, já era adjunto, filho de ex-comandante e é funcionário do CDOS», ou seja, resume Daniel Costa, «nasceu nisto».

Mas o processo por que passou a corporação até encontrar novo comandante não foi fácil e nem sequer seguiu os trâmites tidos como normais numa situação do género. Ou seja, não foi a direcção que escolheu um nome, mas foram antes os próprios bombeiros interessados que se candidataram ao lugar. E a metodologia adoptada tem a ver com o facto de o próprio presidente da direcção ser, também ele, novo no cargo.

Daniel Costa preferiu, por isso, abrir um programa de candidaturas, ao qual qualquer bombeiro, desde que reunisse alguns requisitos, podia concorrer. Entre esses requisitos, era necessário um certo currículo, demonstrar que reuniam condições para liderar o comando e apresentar a equipa que o iria acompanhar. «Houve algumas reservas por parte dos bombeiros, nomeadamente relativas à legalidade do processo, mas depois rapidamente foram esclarecidos», explica Daniel Costa, que já foi vereador da Protecção Civil na Câmara de Condeixa e está há seis meses na direcção da corporação.

Terminado o prazo, deram entrada na direcção duas propostas. A de Fernando Gonçalves foi a eleita, mediante uma votação secreta. «Não tenho dúvidas de que é a mais indicada», diz Daniel Costa, que tem vindo, nestes seis meses, a adoptar outras metodologias inovadoras, e que passam, por exemplo, pelo alargamento das reuniões da direcção a todos os elementos que compõem o comando da corporação.

«Entendo que os bombeiros têm de ser um corpo só», justifica o presidente, manifestando-se «nada arrependido» com as opções tomadas. E diz mesmo que, quanto à escolha do comandante, foi um processo «completamente pacífico», tendo inclusivamente, depois disso, ter tido a preocupação de reunir com os bombeiros para lhes dar conta da situação.

Sessão com novidades

Mas o dia de amanhã será, também, marcado por «coisas novas», diz Daniel Costa. Desde logo a apresentação de algumas centenas de novos sócios, “angariados” no decorrer da campanha dos “1000 novos sócios”, em que, cada bombeiro ou funcionário da associação foi convidado a convidar pessoas para se juntarem como sócios. «Não tem sentido num concelho como o nosso, em que os bombeiros têm uma acção muito alargada, houvesse apenas três mil sócios, nem todos com as quotas em dia», justifica Daniel Costa, que aponta ainda um outro problema que se tem vindo a verificar em Condeixa, o do «divórcio» entre a população e os bombeiros. «Não há empatia», lamenta o presidente, que quer com esta campanha e com a festa de aniversário promover uma aproximação entre as duas partes.

Igualmente novas vão ser as distinções que a direcção vai efectuar amanhã. É que desta vez as homenageadas são as juntas de freguesia, a Câmara de Condeixa, o Governo Civil e um grupo de empresas que, de uma forma ou de outra, têm dado o seu contributo à corporação.
Em dia de aniversário, as novidades prosseguem, com a apresentação da página de internet da corporação, elaborada por um grupo de bombeiros, e onde se vai passar a dar conta das novidades, actividades e outras informações da corporação de Condeixa.
Em suma, Daniel Costa afirma que esta é, sobretudo, uma festa destinada a «aproximar a população» da sua corporação de bombeiros, uma associação «capaz», que vive bem servida, tanto em meios humanos como materiais.

Duas novas viaturas a custo zero

A festa dos 33 anos começa pelas 11h15, com a formatura geral com guarda de honra, a que se segue o baptismo de duas novas viaturas: um carro de comando e uma ambulância de transporte de doentes. Uma e outra acabaram, explica o presidente, por ficar a custo zero à associação. É a que a viatura de comando foi adquirida «em bom estado» em segunda mão, mas o Intermarché viria a oferecê-la. Quanto à ambulância, foi doada em testamento pelo juiz Carlos Albano, que faleceu este ano e que, por esse feito, vai receber uma medalha de homenagem, que será entregue à família.

Segue-se, ao meio-dia, a sessão solene, onde se dá posso ao novo comandante e se condecoram bombeiros, terminando a festa de aniversário com um almoço na Quinta das Abertas, em S. Fipo.

Fonte: Diário de Coimbra

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 00:19

Quarta-feira, 01.12.10

Chaves: Caiu do Telhado Gelado e Socorro Tardou

Uma queda de uma altura de mais de dez metros, do telhado de um prédio em Chaves, deixou homem de 50 anos em estado considerado muito grave. Luís Casas Rua, natural e residente em Faiões, trabalhava numa obra em Vilar de Nantes quando escorregou no gelo que se terá formado na cobertura, desequilibrou-se e caiu do prédio de três andares.


Os colegas de trabalho deram o alerta. Como as duas ambulâncias do INEM que a cidade de Chaves tem estavam noutras ocorrências, o socorro teve de ser dado por uma ambulância dos Bombeiros Voluntários de Vidago, que fica a cerca de 20 quilómetros do local, e com o gelo que as estrada tinham àquela hora da manhã demoraram onze minutos a chegar. Também a viatura médica de emergência e reanimação (VMER) estava inoperante, também por falta de médico.


O helicóptero do INEM, estacionado em Macedo de Cavaleiros, foi accionado e o operário foi transportado em estado considerado muito grave e com lesões ao nível da cabeça, para a unidade de neurocirurgia do Hospital de Santo António, no Porto, onde ao final do dia, e tal como confirmou o hospital, ainda permanecia com prognóstico reservado.


A demora no socorro indignou a população. "Isto é uma vergonha. O hospital só está aberto para tapar os olhos à população, porque na realidade já nada funciona como dantes e a integração foi a pior coisa que aconteceu à população do Alto Tâmega", disse António Silva. "Quando fixaram a maternidade, o Governo garantiu que a VMER era para dar apoio à população 24 horas por dia, mas com a integração no Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro e com a debandada dos médicos são mais os dias em que estamos entregues à sorte", concluiu.


in: DN

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 00:17

Quarta-feira, 01.12.10

Chaves: Caiu do Telhado Gelado e Socorro Tardou

Uma queda de uma altura de mais de dez metros, do telhado de um prédio em Chaves, deixou homem de 50 anos em estado considerado muito grave. Luís Casas Rua, natural e residente em Faiões, trabalhava numa obra em Vilar de Nantes quando escorregou no gelo que se terá formado na cobertura, desequilibrou-se e caiu do prédio de três andares.


Os colegas de trabalho deram o alerta. Como as duas ambulâncias do INEM que a cidade de Chaves tem estavam noutras ocorrências, o socorro teve de ser dado por uma ambulância dos Bombeiros Voluntários de Vidago, que fica a cerca de 20 quilómetros do local, e com o gelo que as estrada tinham àquela hora da manhã demoraram onze minutos a chegar. Também a viatura médica de emergência e reanimação (VMER) estava inoperante, também por falta de médico.


O helicóptero do INEM, estacionado em Macedo de Cavaleiros, foi accionado e o operário foi transportado em estado considerado muito grave e com lesões ao nível da cabeça, para a unidade de neurocirurgia do Hospital de Santo António, no Porto, onde ao final do dia, e tal como confirmou o hospital, ainda permanecia com prognóstico reservado.


A demora no socorro indignou a população. "Isto é uma vergonha. O hospital só está aberto para tapar os olhos à população, porque na realidade já nada funciona como dantes e a integração foi a pior coisa que aconteceu à população do Alto Tâmega", disse António Silva. "Quando fixaram a maternidade, o Governo garantiu que a VMER era para dar apoio à população 24 horas por dia, mas com a integração no Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro e com a debandada dos médicos são mais os dias em que estamos entregues à sorte", concluiu.


in: DN

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 00:17

Quarta-feira, 01.12.10

Dívidas a Bombeiros Cancelam Aniversário

Este ano, os bombeiros de Vidago não vão festejar o aniversário da corporação. É a primeira vez que tal acontece em 43 anos. O motivo é simples: falta de dinheiro em tempo de crise.


"Isto está mau. Os hospitais não nos pagam, o INEM, igual, as instituições não nos dão os subsídios e, assim, é impossível termos alguma folga financeira para fazer festas." A justificação é do comandante dos Bombeiros Voluntários de Vidago, Fernando Cadete, para explicar o facto de no próximo dia 8 de Dezembro não se cumprir o tradicional dia de festejos.
Desde 1967 que esta é a maior e pior crise financeira, de sempre, que estamos a atravessar", admitiu ao Correio da Manhã o comandante dos Voluntários de Vidago.


"É com alguma tristeza que esta associação se vê impedida de comemorar o seu aniversário. Todos os anos realizávamos uma festa comemorativa, que incluía um almoço pago pela direcção", desabafou o responsável pela liderança de 102 bombeiros.


"O dinheiro que deveria ser gasto no almoço da festa será usado para comprar bens essenciais, prioritários e indispensáveis para o funcionamento do corpo de bombeiros", garantiu ainda Fernando Cadete, confrontado com o cenário das dificuldades financeiras da associação. "Em tempo de crise, é preciso esquecer as festas e dar segurança e condições a quem trabalha nos bombeiros."


O presidente da Federação Distrital dos Bombeiros de Vila Real, Alfredo Almeida, embora reconhecendo que é um acto de gestão interna, "lamenta que os bombeiros sejam vítimas da falta de pagamentos de vários organismos estatais". A situação é, no entanto, extensiva a outras associações do distrito de Vila Real.


Ainda assim, Alfredo Almeida assegura: "Continuo a acreditar que o INEM cumpra o que prometeu e pague aos bombeiros até final deste mês", que termina hoje. Até ontem, as dívidas não tinham sido pagas.

in: CM

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 00:17

Quarta-feira, 01.12.10

Dívidas a Bombeiros Cancelam Aniversário

Este ano, os bombeiros de Vidago não vão festejar o aniversário da corporação. É a primeira vez que tal acontece em 43 anos. O motivo é simples: falta de dinheiro em tempo de crise.


"Isto está mau. Os hospitais não nos pagam, o INEM, igual, as instituições não nos dão os subsídios e, assim, é impossível termos alguma folga financeira para fazer festas." A justificação é do comandante dos Bombeiros Voluntários de Vidago, Fernando Cadete, para explicar o facto de no próximo dia 8 de Dezembro não se cumprir o tradicional dia de festejos.
Desde 1967 que esta é a maior e pior crise financeira, de sempre, que estamos a atravessar", admitiu ao Correio da Manhã o comandante dos Voluntários de Vidago.


"É com alguma tristeza que esta associação se vê impedida de comemorar o seu aniversário. Todos os anos realizávamos uma festa comemorativa, que incluía um almoço pago pela direcção", desabafou o responsável pela liderança de 102 bombeiros.


"O dinheiro que deveria ser gasto no almoço da festa será usado para comprar bens essenciais, prioritários e indispensáveis para o funcionamento do corpo de bombeiros", garantiu ainda Fernando Cadete, confrontado com o cenário das dificuldades financeiras da associação. "Em tempo de crise, é preciso esquecer as festas e dar segurança e condições a quem trabalha nos bombeiros."


O presidente da Federação Distrital dos Bombeiros de Vila Real, Alfredo Almeida, embora reconhecendo que é um acto de gestão interna, "lamenta que os bombeiros sejam vítimas da falta de pagamentos de vários organismos estatais". A situação é, no entanto, extensiva a outras associações do distrito de Vila Real.


Ainda assim, Alfredo Almeida assegura: "Continuo a acreditar que o INEM cumpra o que prometeu e pague aos bombeiros até final deste mês", que termina hoje. Até ontem, as dívidas não tinham sido pagas.

in: CM

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 00:17

Quarta-feira, 01.12.10

Vizela: 5000 € Para os Bombeiros

Realizou-se no dia 13 de Novembro o peditório para o Natal do Bombeiro, dos Bombeiros Voluntários de Vizela, na vila de Moreira de Cónegos, arrecadando a quantia de 5.389,15 euros.

Os bombeiros agradecem pela generosidade de todos, pois só assim é possível ofertar um Natal melhor a todos os bombeiros, que dia e noite estão alerta em prol do melhor socorro a toda a população. Já foi sorteado o cabaz desta freguesia contemplando o Senhor Armindo Manuel Abreu Freitas residente na rua das Barrocas nº5, que deverá levantar o respectivo cabaz no dia 18 de Dezembro pelas 14.30 horas no quartel.
Os peditórios que se seguem serão realizados este fim-de-semana dias 4 e 5 nas freguesias de S. Paio, Nespereira e S. Faustino.

Pela comissão Organizadora
Paulo Felix

in: BPS

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Diário de um Bombeiro às 00:15



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2010

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031




Tags

mais tags