Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

diariobombeiro



Sábado, 25.02.12

Incêndios: Governo antecipa apoios às corporações mais mobilizadas

O ministro da Administração Interna anunciou este sábado, na Régua, que o Governo vai antecipar apoios às corporações de bombeiros que mais têm sido mobilizadas para a "anormal e excepcional" ocorrência de incêndios que se tem verificado neste inverno.

Miguel Macedo inaugurou as obras de requalificação do centenário quartel dos bombeiros de Peso da Régua, onde foi confrontado com várias queixas por parte dos dirigentes das corporações de bombeiros.

O país vive uma situação anormal de ocorrências de incêndios, que encontram no tempo seco condições para se propagarem. Os bombeiros pedem apoios para as despesas extraordinárias no combate aos fogos neste inverno.

O ministro fez questão de salientar que o Governo "já tomou uma medida no imediato".

"Fazermos a antecipação de duodécimos, que no fundo significam o apoio que do Ministério da Administração Interna (MAI) vai para as corporações de bombeiros", afirmou Miguel Macedo.

Essa antecipação será feita para as corporações de bombeiros que têm sido mais mobilizadas para os fogos, referiu.

"No imediato, era isso que podíamos fazer para rapidamente fazer chegar esse apoio, mas estamos a preparar outras medidas no caso de se prolongar esta situação anormal do ponto de vista meteorológico", acrescentou.

Caso isso aconteça, será feita a "mobilização de recursos extraordinários e excepcionais que existem", disse ainda Miguel Macedo.

"Não é normal que em Janeiro e Fevereiro haja tantas ocorrências e ignições como as que aconteceram. Não têm sido coisas de grande dimensão, mas obrigam a fazer a mobilização do dispositivo e isso significa gastos e meios que é preciso cobrir em termos financeiros", sublinhou.

Desde o início do ano, a Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) registou mais de 3 300 ignições em todo o país, a grande maioria das quais neste mês de Fevereiro.

De acordo com o ministro, esta semana registou-se uma média de 200 ignições por dia no país.

Os bombeiros queixaram-se das dificuldades financeiras, em grande parte provocadas por causa do novo sistema de pagamento de transporte de doentes não urgentes, e salientaram que isto pode levar ao encerramento de corporações, como o caso de São Mamede de Ribatua, em Alijó, que fecha definitivamente as portas em Março.

Miguel Macedo aproveitou a deixa para defender "uma maior racionalidade". A corporação de São Mamede de Ribatua é uma das seis que existem no concelho de Alijó.

"Não estou a dizer que alguém é dispensável, pelo contrário, são todos absolutamente precisos. A questão é saber se devemos ter seis corpos de bombeiros em Alijó".

O ministro fez questão de salientar que não é o MAI que abre ou fecha corporações.

"O que é preciso é que o país tenha um conjunto de critérios de avaliação dos riscos em cada município e que o financiamento para a cobertura do sistema necessário à cobertura desses riscos seja completamente objectivo", frisou.

Por isso acrescentou, em alguns casos, onde existam porventura estruturas a mais, terá que ser feito um "esforço de cooperação, de racionalidade e de junção dessas estruturas".Miguel Macedo fez questão de salientar que, em 2011, o MAI "não ficou a dever um cêntimo aos bombeiros" e que não houve cortes no sector da Protecção Civil.
 
 
fonte: CM

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por Diário de um Bombeiro às 16:20


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2012

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
26272829




Tags

mais tags